Sorte

Sorte é quando a preparação se encontra com a oportunidade.

eduardo

Eduardo Moura –

Num dos últimos livros de Goldratt (The Choice), li a seguinte frase do filósofo Seneca: sorte é quando a preparação se encontra com a oportunidade. Interessante… Isso significa que alguém não poderá aproveitar uma oportunidade (isto é, ter sorte) se não estiver preparado (isto é, aprontar-se com antecedência). Existem dois tipos de erros que as pessoas (e por consequência as organizações) podem cometer com respeito a isso.

O primeiro é não se preparar para poder identificar e aproveitar as inúmeras oportunidades que estão por aí, à espera de serem encontradas. A consequência desse primeiro erro é ficar esperando que a sorte seja entregue de bandeja, e como isso é extremamente raro, desenvolve-se a percepção de que a realidade é cruel e injusta.

E, para não ter que reconhecer o duro fato de ser incompetente, desenvolvem-se mecanismos de autoproteção, como por exemplo, colocar a culpa em terceiros (cônjuge, família, governo, concorrentes etc. – e sobram acusações até mesmo para Deus!).

No âmbito pessoal, o trágico resultado desse primeiro erro é viver toda uma vida de forma absolutamente vegetativa e irrelevante e, ao chegar no final dela, olhar para trás e amargamente constatar que passamos por este planeta sem deixar nenhuma marca.

Já no âmbito empresarial, o resultado é uma organização que vive à mercê dos ventos e ondas do mercado, e como o oceano dos negócios é cada vez mais turbulento, corre-se um risco cada vez maior de naufragar sem deixar vestígios.

O segundo tipo de erro é se preparar de maneira equivocada, com base em falsas premissas, informação incorreta, modelos obsoletos ou métodos ineficazes (e tais coisas existem de montão, várias delas discutidas em artigos anteriores). Para ilustrar o ponto: alguém deseja fixar um parafuso (a oportunidade) e escolhe para isso um martelo (a preparação equivocada).

Mas, como podemos então, tanto no âmbito pessoal quanto empresarial, estar preparados para identificar e explorar as oportunidades? Naquele mesmo livro, Goldratt dá a receita: a melhor forma de preparação é pensar claramente em termos de causa e efeito.

Já nascemos com esse dom, mas infelizmente em vez de desenvolvê-lo, deixamos que o mesmo se atrofie devido a diversos fatores, começando com o atual sistema de ensino. Basta contrastar um típico garotinho (com sua insistente pergunta “por que?”) com um idoso acomodado às circunstâncias da vida.

Bem, a boa notícia aqui é que o método que permite desenvolver nossa habilidade para pensar claramente em termos de causa e efeito já está disponível: trata-se do Thinking Process (TP), o processo de raciocínio lógico da Teoria das Restrições. Com ele, podemos desvendar qualquer situação complexa e identificar os poucos fatores que a governam.

E outra boa notícia é que, no livro mencionado acima, Goldratt expõe os princípios que orientam a aplicação eficaz do TP, tanto para a vida pessoal quanto profissional. Aprender e aplicar este poderoso método pode provocar grandes transformações em nossa compreensão da realidade, com todos os benefícios que podem resultar disso. Se você ainda não conhece o TP, recomendo fortemente buscar fazê-lo, o mais rápido possível!

Eduardo Moura é diretor da Qualiplus Excelência Empresarial –emoura@qualiplus.com.br



Categorias:Opinião

Tags:, , , ,

2 respostas

  1. Olá Eduardo,
    Trabalho em uma instituição escolar bastante conceituada e conhecida, faço recrutamento de meus alunos para estágio e emprego e costumo dizer a mesma coisa para os alunos em relação a sorte, preparo e oportunidades, Valeu Eduardo pela dica do The Choice, adorei!!!

    Parabéns pela redação.

  2. Não acredito em sorte ou azar!
    Acredito na força de trabalho, na persistência, na perseverança, na paciência…
    Acredito na força do amor que tem o poder de transformar nossa vida.
    Trabalhar, trabalhar e trabalhar!
    Não creio em sorte ou azar.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: