Quality Progress – Calculando o risco

Aumente as suas possibilidades esquecendo seu medo do fracasso.

risk2Roberta Pek

“O que você tentaria fazer se soubesse que não poderia falhar?” Esta pergunta – escrita em um peso de papel – me encarou de seu lugar de destaque em minha mesa por 12 anos, um presente de um de meus gerentes favoritos .

Há muitos anos, comecei minha vida profissional como professora de economia doméstica. O conjunto de habilidades (planejamento de atividades para atingir metas, influenciar o comportamento, gerenciar pessoas e falar em público) me ajudou a mudar para um novo caminho no setor bancário hipotecário (economia doméstica com esteróides).

Quando uma circunstância da vida ocorre e você deve dar um salto de fé para o desconhecido, às vezes ajuda a enquadrá-lo como: “O que você tentaria fazer se soubesse que não poderia falhar?” Mesmo que o que você está fazendo não funciona exatamente como planejado isso não é um fracasso – é uma oportunidade para reformular seu caminho.

Mudar da escola pública para a iniciativa privada foi o meu evento de mudança de formato. Um dia na vida de um gerente de operações de hipoteca incluía processos manuais, requisitos de conformidade, comunicação com partes internas e externas e muito retrabalho na oficina escondida. Eu sabia que tinha que haver um jeito melhor.

Essa maneira melhor se apresentou quando meu empregador na época ofereceu uma nova iniciativa chamada Seis Sigma. Eu investiguei a oportunidade, o que significava deixar minha posição e equipe para entrar em águas desconhecidas. Como parte do grupo inicial de treinamento dos belts, nadei em um mar de estatísticas, mapeamento de processos, ensaios de hipóteses, cartas de controle e guias.

Foi uma experiência e eu era um rato de laboratório. Isso poderia realmente funcionar? Eu poderia realmente aplicar essas ferramentas e me tornar um agente de mudança? Tudo parecia tão assustador. Mas, então, me lembrei do meu peso de papel.

Com um salto de fé e minhas notas confiáveis de treinamento, comecei a seguir o caminho do meu primeiro projeto Seis Sigma. Outros projetos aconteceram, cada um com seus desafios e oportunidades únicos. Eu tive que vender a ideia de um projeto para a gerência e, mais importante, montar e facilitar uma equipe para manter o ritmo.

Muitas vezes, os dados precisavam ser coletados manualmente e as pessoas relutavam em tentar novas abordagens porque eram especialistas nos métodos antigos. Às vezes, os projetos não iam a lugar nenhum porque os ventos da mudança – causados por mudanças de mercado, rotatividade de liderança ou prioridades competitivas – explodiam na organização. Muitos leigos poderiam dizer (e disseram) que foi um desastre.

Usando o melhor conselho de carreira que já recebi, reformulei-o como uma lição de persistência, flexibilidade e superação de objeções. Essas habilidades ajudaram a me levar para fora da minha zona de conforto, especialmente quando combinadas com a caixa de ferramentas Seis Sigma e as técnicas que aprendi como professora. Muitos viajaram nessa mesma estrada, alguns com mais buracos e solavancos do que outros. Atitude é tudo.

Ninguém sabe como ou quando a próxima oportunidade pessoal ou profissional surgirá. Então, em vez de ouvir a voz na parte de trás da sua cabeça, dizendo: “Não faça isso. Não tente. Não vá em frente”, – seja qual for o isso – torça e explore as possibilidades. Tenha um risco calculado. O que você tentaria fazer se soubesse que não poderia falhar?

Roberta Pek é uma líder de serviços financeiros. Ela é bacharel em educação pela Universidade Rutgers em New Brunswick, NJ. Pek recebeu sua designação de bancária de hipoteca certificada da Mortgage Bankers Association. Ela é uma black belt com certificação ASQ e membro da ASQ.

Fonte: Quality Progress/2018 September

Tradução: Hayrton Rodrigues do Prado Filho



Categorias:Qualidade

Tags:, , ,

1 resposta

Trackbacks

  1. A energia que vem do vento – Qualidade | Normalização | Metrologia

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: