Já que vai fazer, faça bem feito, não seja acomodado e seja multifuncional

Em uma empresa de sucesso, os dirigentes exigem que todos os membros de sua equipe, vejam bem, eu disse todos, sem exceção, sejam talentosos. Estamos falando que, para evoluirmos e nos destacarmos profissionalmente, além dos requisitos básicos, os quais devemos possuir para desenvolver uma atividade, devemos extrapolá-los e estarmos plenamente conscientes do que devemos e do que não devemos fazer no nosso dia a dia.

mauricio

Mauricio Ferraz de Paiva

Já que vai fazer, faça bem feito

O conceito de melhoria contínua está cada vez mais presente nas empresas, principalmente naquelas que possuem certificados de gestão reconhecidos internacionalmente. Isso porque, após conquistar um certificado desses, a empresa passa constantemente pelas chamadas auditorias de manutenção, através das quais o órgão certificador verifica se a empresa continua se comprometendo com os requisitos do sistema de gestão. Um desses requisitos é justamente a melhoria contínua.

Muitos profissionais cometem o erro de achar que após a conquista desses certificados, o trabalho está acabado. Muito pelo contrário: é nessa fase que o trabalho começa. Nessas auditorias de manutenção, um dos itens mais fortemente avaliado é o amadurecimento do sistema, além do envolvimento de toda a equipe, e é aí que entra a tal melhoria contínua, sobre o qual comentamos no início deste capítulo.

Os auditores verificam se o sistema da qualidade da empresa se estagnou durante o período, ou se foram feitas melhorias nos processos, produtos e serviços. E se esse é um conceito que vem se tornando quase que uma obsessão nas mais diversas empresas, você, como profissional, tem tudo a ver com isso.

Mas, diferente do que parece, esse não é um conceito totalmente novo em nossa rotina. Afinal, quem nunca ouviu do pai, mãe, professor, ou qualquer outra pessoa, aquela tão famosa frase “O que merece ser feito, merece ser bem feito”? E se para muitos de nós esse conceito soa apenas como mais um daqueles ditados que sempre ouvimos, mas nada fazemos a respeito, chegou a hora de mudarmos de uma vez por todas.

Os ensinamentos como fazer sempre bem feito, não por obrigação ou imposição, mas pelo gosto de fazer bem feito, devem ser pregados desde a fase inicial da vida. Ao contrário de muitos de nós, que levantam na segunda-feira com aquele desânimo total, já contando quantas horas faltam para chegar o sábado, devemos encarar as tarefas rotineiras, diárias, quase que como uma missão, nos doando totalmente ao que estamos realizando, e, assim, transformando a mais simples tarefa em algo que merece perfeição. Dessa forma, conseguimos resultados muito mais satisfatórios, além de estarmos nos permitindo aprender com os erros que possivelmente possam ocorrer. É como se, a cada tarefa realizada com total esforço, estivéssemos defendendo a nossa honra.

Mas, pensando um pouco agora em nossa realidade, fica um pouco difícil nos imaginarmos colocando em prática esses pensamentos, não é mesmo? Estamos sempre atrasados, naquela correria, os prazos para entregar as tarefas são cada vez menores. Como separar então um cantinho em nossa vida tão atribulada para uma vivência filosófica como essa?

Bem, para quem deseja viver uma vida de sucesso, conquistando os sonhos e metas que almeja, essa é uma condição quase que essencial. Fazer sempre bem feito é uma postura que se adquire, e que se estenderá por todos os lados de sua vida. Se na empresa você faz as coisas correndo, de qualquer jeito, fatalmente se pegará em casa agindo da mesma maneira. E uma vida feliz é resultado de muito trabalho e esforço, que só conseguimos com a consciência de que estamos doando o melhor de nós ao nosso dia a dia.

Se você não acha que tudo o que merece ser feito, merece ser bem feito, comece a pensar mais no assunto. Aplique esse pensamento em sua vida, nas mais simples tarefas, desde à organização das suas roupas, limpeza do automóvel, até o jeito como trata seus colegas, vizinhos, amigos, familiares, e até mesmo os desconhecidos. Coloque em prática aquele velho pensamento: o dia em que passarmos a acrescentar vida aos nossos dias, e não simplesmente dias a nossa vida, seremos muito mais felizes.

Não seja acomodado

Os aspirantes a vagas de empregos se deparam cada vez mais com exigências como: domínio de ferramentas da informática, conhecimento de línguas estrangeiras, facilidade para trabalhar em equipe, entre muitas outras. E é inevitável pensar: mas, será que vou usar isso para alguma coisa caso eu passe nessa entrevista?

Aliás, esse é o mesmo pensamento que muitos de nós tivemos na época de escola: para que estudar álgebra, por exemplo, se o meu interesse está na área de humanas? Em que esses conhecimentos me ajudarão realmente?

Na maioria das vezes, após ser admitido, o profissional percebe que nem metade das qualificações exigidas serão usadas no seu dia-a-dia dentro da empresa. Mas, você poderá não ser contratado por não possuir uma das qualificações. Pode até acontecer dessa habilidade não ser necessária no cargo em questão, mas você não foi aceito, e isso é fato.

Se por um momento essa postura das empresas soa como algo completamente errado, após fazermos uma análise, veremos que não é bem assim. Então vamos lá. Pare agora por uns instantes e pense: que imagem passa para você um profissional que tem em seu currículo o domínio de línguas estrangeiras, diversos cursos de especialização na área em que atua, uma pós-graduação ou mestrado?

Pois bem, para qualquer pessoa, a primeira imagem é a de alguém que está constantemente em busca de novos conhecimentos, com interesse em estar sempre se atualizando em relação às novas tendências. E é exatamente este o ponto onde queremos chegar: as empresas estão em busca de profissionais que não têm medo de situações novas, valorizando sempre aqueles que demonstram estar atrás do autodesenvolvimento.

Todos nós sabemos que o mercado atual é muito instável: se hoje os processos da empresa onde trabalhamos estão à frente de muitos concorrentes, amanhã tudo pode mudar: novas tecnologias estão sempre sendo desenvolvidas, o grau de exigência dos clientes aumenta a cada instante. São muitas as variações desse mercado competitivo.

E, para a empresa, ter um profissional com muitas habilidades e com garra para trabalhar em qualquer situação pode ser um diferencial enorme para vencer os concorrentes nessa batalha diária. Além disso, como já vimos anteriormente, é muito raro hoje em dia encontrarmos profissionais que desenvolvam apenas uma função dentro da empresa.

Geralmente, a pessoa é contratada para um cargo, mas, além disso, desenvolverá outras inúmeras tarefas que, muitas vezes, poderão necessitar de habilidades além daquelas exigidas para que você fosse contratado. Qualquer empresa moderna, hoje em dia, entende que a equipe de profissionais é um dos patrimônios que merece melhor investimento.

Tecnologias perfeitas, sistemas, equipamentos, etc. nada disso trará 100% de benefícios se a empresa não possuir líderes e profissionais capazes de enfrentar o mercado. Isso explica o valor que vem sendo dado às habilidades adicionais, das quais falamos no início deste capítulo.

Agora pare e reflita novamente sobre sua carreira: qual a importância que você tem dado ao seu autodesenvolvimento? Você vem conseguindo superar as exigências do seu cargo ou tem se conformado em realizar apenas aquelas tarefas básicas? Em que você se difere dos outros profissionais? Quem sabe faz a hora, não espera acontecer, escreveu o compositor Milton Nascimento.

É importante relembrar que seu futuro profissional depende, primeiramente, da importância que você dá a si mesmo. Não pare, não fique esperando que algo aconteça para correr atrás do prejuízo.

Faça uma lista de prioridades profissionais e corra atrás do seu autodesenvolvimento através de novos cursos, especializações, pesquisas, leituras, etc. Sua carreira e as futuras empresas onde você atuará agradecem.

Seja multifuncional

A cada novo dia, novas exigências, novas responsabilidades, novas tarefas! Só o que não aumenta é o tempo. Querer que o dia tivesse mais de 24 horas é o desejo de muitos que passam horas e horas na empresa e terminam o expediente sem ter conseguido finalizar um terço das tarefas impostas.

Mas, a não ser que um gênio apareça a sua frente, esse desejo será impossível de ser realizado. Por isso, a saída  que muitos profissionais encontram é aquele famoso jeitinho brasileiro, de deixar para amanhã aquelas tarefas que estão pesando na listinha de afazeres do dia.

Mas, se por um momento essa atitude parece ser uma saída de mestre, mais tarde trará muitos problemas: uma lista interminável de tarefas inacabadas, resultados negativos na performance de seu setor, e até mesmo em outros setores, já que na maioria das empresas não há um único setor que trabalhe sozinho, além daquela voz no seu subconsciente, sempre lembrando que há algo para ser feito. Quem nunca passou por essa situação?

É comum um profissional terminar seu dia de trabalho desanimado, com aquele sentimento de fracasso por não ter conseguido finalizar todas as pendências. Isso porque é normal estarmos concentrados em nosso trabalho e de dez em dez minutos entrar alguém solicitando esclarecimento, assinaturas em papéis, liberação de pedidos, etc. Seja o que for, qualquer um desses casos é o suficiente para tirar sua concentração e, consequentemente, tardar o término do que estávamos fazendo.

Mas, já que não podemos trabalhar isoladamente dentro de nossa empresa, precisamos aprender de alguma forma a lidar com essas interrupções. Veja então a seguir algumas dicas de como fazer muita coisa ao mesmo tempo sem oferecer riscos à sua performance profissional.

– Faça uma autoanálise – Assim como em problemas de saúde ou vícios, o profissional precisa estar consciente de suas atitudes para conseguir mudar. Esse é o começo de tudo. Por isso, analise sua postura profissional, o seu dia a dia na empresa e pense se você faz parte dos milhares de profissionais que têm o hábito de empurrar as tarefas com a barriga. Faça um levantamento de tarefas que já deveriam estar prontas, mas que ainda não foram executadas. Esse é o primeiro passo.

– Priorize suas tarefas – Você provavelmente já ouviu falar em tarefas urgentes e importantes e tarefas importantes. As tarefas urgentes e importantes devem ser feitas de imediato, pois os reflexos negativos de sua ausência serão sentidos rapidamente. Guarde o primeiro horário (de manhã) e o início da tarde apenas para realização das tarefas urgentes e importantes. Já as importantes são aquelas ligadas diretamente ao negócio da empresa, aos objetivos e metas. Mas lembre-se sempre de que cumprir as duas é essencial.

– Não deixe para depois as tarefas de que você não gosta. O ambiente profissional não é só feito de momentos agradáveis. Todos têm que lidar, diariamente, com tarefas que não são tão agradáveis de se realizar. Porém, estão ali, e precisam ser executadas.

– Analise as tarefas que estão sendo atribuídas a você. Às vezes, a não resolução das tarefas ocorre por uma falta nossa, pelo fato de não sabermos delegar tarefas. Mas atenção: muitos profissionais pecam neste aspecto, confundindo delegar tarefas com transferir responsabilidades. Mesmo atribuindo tarefas para colegas, a responsabilidade pelos resultados alcançados ainda será sua.

Portanto, muito cuidado. Siga as dicas apresentadas e passe a administrar seu tempo de maneira correta. Você sentirá o bom resultado em sua performance.

Mauricio Ferraz de Paiva é engenheiro eletricista, especialista em desenvolvimento em sistemas, presidente do Instituto Tecnológico de Estudos para a Normalização e Avaliação de Conformidade (Itenac) e presidente da Target Engenharia e Consultoria – mauricio.paiva@target.com.br



Categorias:Opinião

Tags:, , , ,

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: