Ganhar dinheiro não é causa e sim consequência

Uma coisa que aprendi em minha vida é que muito embora ganhar dinheiro, definitivamente, não seja (ou não deveria ser) a principal razão de ser de uma empresa, os indicadores financeiros mostram as prioridades da atuação gerencial.

falconi

Vicente Falconi

Os indicadores financeiros são, de fato, os mais importantes para medir a saúde de uma empresa. Sem uma situação financeira equilibrada não há companhia que funcione bem. São esses indicadores que mostram de forma clara as principais deficiências da organização. Cada linha do demonstrativo dos resultados do exercício indica uma origem diferente e, analisando cada uma, você pode começar a agir.

Por exemplo, o que está atrapalhando seus resultados? São os encargos financeiros? Então você tem de fazer algo para reestruturar financeiramente sua empresa — seja dispondo de ativos, seja reestruturando a dívida. São os custos operacionais? Então você vai ter de cortar despesas. É o faturamento que vem caindo? Enfim, as informações financeiras mapeiam os principais problemas de sua empresa. Sem dúvidas.

Uma coisa que aprendi em minha vida é que muito embora ganhar dinheiro, definitivamente, não seja (ou não deveria ser) a principal razão de ser de uma empresa, os indicadores financeiros mostram as prioridades de atuação gerencial. É bom que se diga: o principal objetivo de uma companhia é servir ao cliente. Ao fazer isso bem, ganhar dinheiro será a consequência desejada.

Em uma empresa, você sempre tem pouco tempo e recursos para fazer tudo o que é necessário e, portanto, tem de estabelecer prioridades. Essas prioridades devem ser determinadas por indicadores financeiros e outros critérios que se impõem, como regulamentos governamentais e controle de acidentes no trabalho.

Quanto às pessoas, a atuação sobre elas em uma empresa deve ser uma constante e a participação da diretoria é fundamental. Em minha opinião, os diretores devem participar desde o recrutamento e a avaliação de desempenho até as promoções e os desligamentos de funcionários. Todos nós temos talentos, isso é bíblico. No entanto, poucas pessoas terão talento excepcional para seu negócio. Se você conseguir selecionar, ao longo dos anos, pessoas excepcionais, terá, certamente, uma empresa excepcional.

Um outro problema relacionado ao dinheiro é saber qual é a melhor maneira de conversar com o empregador sobre um aumento de salário. Antes de mais nada, é preciso ter clareza sobre alguns fatos. O valor de um salário é questão de mercado. Quando não há gente qualificada disponível, o trabalho vale mais. Quando sobra, vale menos.

Se a pessoa tem conhecimentos importantes para a empresa, vale mais. Se não tem, vale menos, porque pode ser substituído a qualquer momento. Se a empresa vai bem, acaba pagando melhor. Se vai mal, segura os aumentos, o que é óbvio para garantir a própria sobrevivência.

Dito isso, a resposta a essa questão depende muito de cada situação e de cada pessoa. Eu preferiria utilizar o mercado. Creio que nunca pediria aumento de salário. Se você acha que seu trabalho não está sendo reconhecido, procure outras oportunidades. Converse com amigos e explique o que você pode fazer.

Mediante uma alternativa concreta e uma oferta firme de salário, e se você aprecia a empresa onde trabalha, procure seu chefe e fale com ele sobre a oferta que recebeu. Se ele gostar muito de seu trabalho e o valorizar, dará o aumento. Caso contrário, aconselho que mude de emprego.

Por fim, será importante gastar dinheiro em programas de qualidade baseados na ISO 9000 e técnicas mais avançadas de solução de problemas? Todas essas coisas são importantes e muitas vezes deve-se utilizar caminhos tortuosos para chegar aonde quer. Em consultoria, aprende-se isso rapidamente para sobreviver.

Na hora de implementar sistemas de gestão, o melhor é escolher as prioridades financeiras. Comece com o que dá mais resultado imediatamente. Isso lhe dará crédito para fazer outras coisas que não dão resultados no curto prazo, mas que servem para formar cultura positiva, como o 5S, metodologia japonesa que serve de base para a qualidade total.

De qualquer maneira, treinar e praticar o tempo todo o método de solução de problemas é o que existe de mais importante. Muita gente confunde administração com gestão. A administração envolve todos os fatores humanos, conhecimentos técnicos e de métodos para tocar uma empresa. Pode-se então falar em modelo de administração. A administração engloba a gestão.

No entanto, a gestão trata apenas, e tão somente, da solução de problemas e envolve o planejamento estratégico, o gerenciamento pelas diretrizes, o gerenciamento de projetos e o gerenciamento da rotina do trabalho do dia a dia. Gerenciar é resolver problemas. É isso que no fim do dia traz resultado positivo.

Vicente Falconi é sócio fundador e presidente do Conselho de Administração da Falconi Consultores de Resultado, e membro da Academia Brasileira da Qualidade (ABQ).



Categorias:Opinião, Qualidade

Tags:, , , , , ,

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: