Transformando as cidades pelo empreendedorismo

O fato é que os pequenos negócios criam empregos que geram renda e movimentam o comércio e o serviço locais.

jairo

Jairo Martins

O Brasil enfrenta a alta do desemprego com mais de 11 milhões de pessoas fora do mercado de trabalho. As empresas que vivenciam a recessão ainda preferem esperar para voltar a investir e empregar. Enquanto isso, na contramão dessa espera, as pessoas têm buscado o empreendedorismo como forma de sair dessa situação.

Para se ter uma ideia, no primeiro trimestre de 2017 foram criadas no país 581.242 novas empresas, maior número para o período desde 2010, começo da série histórica do Indicador Serasa Experian de Nascimento de Empresas. O número é 12,6% superior ao registrado no mesmo período de 2016, quando ocorreram 516.201 nascimentos.

Porém, sabe-se que a tentativa de abrir um negócio no Brasil tem seus entraves. Metade das empresas fecham suas portas com menos de quatro anos de existência. Isso se deve, muito, à burocracia e ao custo Brasil, à carga tributária sobre produtos e serviços, além da falta de incentivo, que não contribui para a sobrevivência dessas empresas.

Além disso, outro fator importante para a baixa longevidade desses empreendimentos é a falta de uma gestão sistêmica e profissionalizada dos empreendedores. Alguns negócios, por exemplo, concentram seus produtos em único cliente e não têm uma atuação diversificada. Como consequência dessa conduta, em períodos de recessão, a redução de custos impacta diretamente na cadeia de fornecimento e faz quebrar as menos estruturadas.

O fato é que esses pequenos negócios criam empregos, que geram renda e que movimentam o comércio e o serviço locais. É um ciclo virtuoso dentro dos núcleos dos municípios e as prefeituras possuem um papel fundamental no sentido de incentivar a construção de uma cidade empreendedora.

Um bom exemplo do que podemos fazer é a iniciativa “+ Empreendedores + Empregos” da Endeavor que desafia os prefeitos a assumirem três compromissos para construir uma cidade mais empreendedora: uma cidade que tenha um prefeito parceiro dos empreendedores; uma cidade mais fácil e menos burocrática para quem quer empreender; uma cidade que trabalhe junto com os empreendedores. Dentre as ações propostas estão reunião entre os empreendedores e os prefeitos, compromisso público de diminuir o tempo de abertura de empresas em suas cidades e criação de programa de inovação aberta que promova o ganha-ganha.

A prefeitura inova em seus serviços, a cidade ganha soluções inovadoras para resolver seus problemas e as empresas ganham escala, aumentam seu impacto e geram empregos. Aproveitar esse momento para cobrar dos prefeitos é uma das formas de atuarmos como cidadãos, pois uma cidade mais empreendedora é uma cidade com mais empregos.

Jairo Martins é presidente executivo da Fundação Nacional da Qualidade e membro da Academia Brasileira da Qualidade (ABQ).



Categorias:Opinião

Tags:, , , , ,

2 respostas

  1. Sem dúvidas, as prefeituras têm enorme potencial para liderar e estimular o empreendedorismo na sua comunidade. Há soluções inclusive, sem grandes custos e giro financeiro, que promovem a melhoria da qualidade de vida do cidadão (vide mutirões, p ex, já praticados no passado, com bastante sucesso). Associar a colaboraçãode muitos a baixo custo, talvez seja uma vertente para potencializar o empreendedorismo daqueles mais habilitados na comunidade, evidentemente com o compromisso de retornos para essa comunidade.

    • Sim
      Concordando com esta visão parceira do empreendorismo junto aos prefeitos , levando a
      ganhos significativos para a população

      Geração de empregos, melhoria na gestão dos negócios e na qualificação profissional, como uma
      consequência natural

      Também resalto os resultados na política, do gestor eleito, pois a eficiéncia dos resultados
      estimularia novos negócios

      Troca de experiências do setor privado com a gestão pública, traria ótimos benefícios a coletividade

      Existe vazios gerenciais nos setores públicos, que a participação gerencial profissionalisantes de parcerias empreendoristas, traria um grande efeito multiplicador, até ajudando nos projetos federais
      que buscam disponibilisar verbas, para a melhoria social, gerando rendas

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: