Publicado em 09 jun 2020

O papel da tecnologia na indústria antes e depois da crise

Redação

As empresas de manufatura, que não tinham uma boa gestão e digitalização dos seus processos, sentiram já nas primeiras semanas da crise um forte impacto nas operações, ficou evidente a necessidade de ter tudo no sistema e não nas mãos ou nos HDs de cada colaborador.

Angela Maria Gheller – 

No início de 2020, o segmento de manufatura no Brasil era um dos mais otimistas, considerando os desafios vividos nos últimos anos. Havia uma expectativa na retomada da indústria brasileira e alguns resultados positivos já vinham sendo percebidos. Além disso, o setor era o que havia projetado os maiores investimentos em tecnologias para transformação digital na América Latina e importantes projetos de modernização já haviam sido iniciados. Ou seja, o cenário era de aquecimento e retomada gradual no investimento na indústria brasileira. 

Em meio a esse clima positivo, a pandemia causada pela gripe chinesa surgiu como um grande balde de água fria, não apenas para o Brasil, mas para toda a economia global. A crise afetou imediatamente todos os segmentos e as formas de consumo, em um momento único da história atual da economia. Com a indústria não foi diferente, nas primeiras semanas já era perceptível uma grande desaceleração do setor manufatureiro no Brasil, em decorrência de diferentes dificuldades de cada elo da cadeia de suprimentos.

Dentro desta nova realidade imposta pelo isolamento social, uma certeza ficou evidente: as empresas mais digitalizadas estavam mais preparadas para gerenciar suas operações em meio à crise. Logo no primeiro momento já foi percebido um grande aumento na procura por soluções em nuvem (cloud computing), pois com elas os sistemas podem ser acessados de qualquer lugar com gran...

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica