O sistema de vedações verticais internas e externas

Requisitos, critérios e métodos para a avaliação do desempenho de sistemas de vedações verticais internas e externas (SVVIE) de edificações habitacionais ou de seus elementos.

vedações internas e externas

Da Redação –

A vedação vertical pode ser definida como um subsistema de um edifício formado por elementos que compartimentam e definem os ambientes internos, controlando a ação de agentes indesejáveis, como intrusos, animais, vento, chuva, ruído e poeira. As paredes, as esquadrias e os revestimentos compõem as vedações verticais.

Além das funções descritas, as vedações verticais servem também de suporte e proteção para as instalações elétricas e hidráulicas do prédio, quando embutidos. Seu principal material é a tradicional alvenaria, porém outras matérias primas como o gesso vêm ganhando destaque.

A NBR 15575-4 – Edificações habitacionais – Desempenho – Parte 4: Requisitos para os sistemas de vedações verticais internas e externas – SVVIE estabelece os requisitos, os critérios e os métodos para a avaliação do desempenho de sistemas de vedações verticais internas e externas (SVVIE) de edificações habitacionais ou de seus elementos. Estabelece critérios relativos ao desempenho térmico, acústico, lumínico e de segurança ao fogo, que devem ser atendidos individual e isoladamente pela própria natureza conflitante dos critérios de medições, por exemplo, desempenho acústico (janela fechada) versus desempenho de ventilação (janela aberta).

Esta norma integra a série NBR 15575: NBR 15575-1 de 02/2013 – Edificações habitacionais — Desempenho – Parte 1: Requisitos gerais que estabelece os requisitos e critérios de desempenho aplicáveis às edificações habitacionais, como um todo integrado, bem como a serem avaliados de forma isolada para um ou mais sistemas específicos; a NBR 15575-2 de 02/2013 – Edificações habitacionais — Desempenho – Parte 2: Requisitos para os sistemas estruturais que estabelece os requisitos e critérios de desempenho que se aplicam somente ao sistema estrutural da edificação habitacional; a NBR 15575-3 de 02/2013 – Edificações habitacionais — Desempenho – Parte 3: Requisitos para os sistemas de pisos que estabelece os requisitos e critérios de desempenho que se aplicam ao sistema de pisos da edificação habitacional; a NBR 15575-5 de 02/2013 – Edificações habitacionais — Desempenho – Parte 5: Requisitos para os sistemas de coberturas que estabelece os requisitos e critérios de desempenho requeridos para os sistemas de coberturas para edificações habitacionais; e a NBR 15575-6 de 02/2013 – Edificações habitacionais — Desempenho – Parte 6: Requisitos para os sistemas hidrossanitários que estabelece os requisitos e critérios de desempenho que se aplicam ao sistema hidrossanitário da edificação habitacional.

Estas normas vêm para imprimir novos moldes de trabalho, oferecer mais garantias não somente ao consumidor, mas também ao construtor. Nela, são encontradas as informações que detalham, por exemplo, a vida útil de componentes da edificação. Mas, ao mesmo tempo, definem compromissos por parte do usuário na correta manutenção do imóvel para que ele alcance sua durabilidade máxima.

A estabilidade e resistência estrutural dos sistemas de vedação internos e externos deve apresentar um nível de segurança considerando as combinações de ações passíveis de ocorrerem durante a vida útil da edificação habitacional ou do sistema. Os painéis estruturais pré-fabricados devem ser ensaiados nas mesmas condições do emprego em obra, com a altura prevista para o pé-direito e largura mínima de 1.20m, ou de cinco vezes a espessura para paredes monolíticas.

A resistência de painéis e trechos de paredes estruturais deve ser verificada a partir de três ensaios, para a solicitação Sd = γg Sgk + γq Sqk + γw Swk; as cargas devidas ao vento devem ser consideradas somente se produzirem esforços de compressão em painéis e trechos de parede (no caso de sucção devem ser desconsideradas). No ensaio, a carga vertical no topo da parede deve ser prevista com a excentricidade acidental e(a) = b/30 ≥ 1cm, sendo “b” a espessura da parede, além da eventual excentricidade de projeto. Este modelo de ensaio aplica-se a sistemas destinados a edificações habitacionais de até cinco pavimentos.

Para os SVVE, inclusive para aqueles não estruturais, deve ser realizada a verificação analítica ou ensaio de cargas laterais uniformemente distribuídas, visando simular as ações horizontais devidas ao vento, devendo-se considerar, para efeito da avaliação, a solicitação γw Swk; no caso de ensaio, o corpo de prova deve ser constituído por um trecho representativo do SVVE, incluindo as fixações e vinculações típicas entre componentes.

Quando à modelagem matemática do comportamento conjunto dos materiais que constituem a parede não for conhecida e consolidada por experimentação, é permitido estabelecer uma resistência mínima de projeto através de ensaio destrutivo e traçado do diagrama carga × deslocamento, conforme previsto na NBR 15575-2.

Para os sistemas de vedações verticais externas e internas com função estrutural, efetuar cálculos ou ensaio descritos na NBR 15575-2. Deve-se realizar ensaio de tipo e a análise de projeto ou cálculos, considerando também os esforços que simulam as ações horizontais devidas ao vento.

As análises, verificações ou ensaios de tipo devem considerar também as fixações e vinculações, bem como o desenho específico para cada caso, incluindo as justificativas do modelo adotado. Para o ensaio visando a verificação da resistência a ações horizontais, pode ser adotada a câmara de ensaio prevista para ensaios de esquadrias externas, conforme a NBR 10821-3 – Esquadrias para edificações – Parte 3: Esquadrias externas e internas – Métodos de ensaio, ou pode ser realizado ensaio por intermédio de balão inflável de material plástico.

Os resultados do ensaio de tipo devem mencionar a ocorrência de fissuras, deslocamentos ou falhas que repercutam no estado-limite de serviço, considerando prejuízo ao desempenho, ou no estado limite último, considerando prejuízo da segurança estrutural. Não se deve esquecer de que as normas de desempenho são estabelecidas buscando atender aos requisitos dos usuários, que, no caso destas normas, referem-se aos sistemas que compõem edificações habitacionais, independentemente dos seus materiais constituintes e do sistema construtivo utilizado.

O seu foco está nos requisitos dos usuários para o edifício habitacional e seus sistemas, quanto ao seu comportamento em uso e não na prescrição de como os sistemas são construídos. A forma de estabelecimento do desempenho é comum e internacionalmente pensada por meio da definição de requisitos (qualitativos), critérios (quantitativos ou premissas) e métodos de avaliação, os quais permitem a mensuração clara do seu atendimento.



Categorias:Metrologia

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: