Ainda bem que a vida é dinâmica

Não há mal nenhum em mudar de opinião. Contanto que seja para melhor. (Winston Churchill)

camanho

Roberto Camanho

Um médico de alma inquieta um dia se inscreveu no Itamaraty. Foi aprovado e passou alguns anos nessa área. Mas ele também gostava das palavras e, entre tantas bem costuradas, Guimarães Rosa nos deixou Grandes Sertões Veredas. Leonardo da Vinci também foi além das telas e revelou-se um grande inventor. Mas não é privilégio dos gênios exercitar todo seu potencial.

Superar-se e surpreender-se é uma espécie de recompensa para quem aceita ousar e não tem medo de mudar de ideia. Você pode imaginar um engenheiro ensinando gestão de projetos para jornalistas e diretores editoriais de jornais e revistas? É fácil perceber que essa missão tem grande chance de não terminar bem.

Do dia do convite até o final do primeiro curso, duas sensações conviviam na cabeça do engenheiro, no caso eu, o prazer do convite e a incerteza do sucesso. No final o curso, foi um sucesso e fui escolhido para ser o paraninfo do curso.

O aprendizado se consolidou ao entender que na vida há dois tipos de risco: o risco que você não pode correr e o risco que você não pode deixar de correr. Essa frase é do jornalista Peter Drucker.

A partir de então descobri que o convite não era um risco, mas sim uma oportunidade. Tudo o que é novo é uma chance de fazer algo novo, um convite para uma descoberta. No universo da inovação e da descoberta não há resultados certos ou errados. Lembre-se que Colombo errou e descobriu a América!

Não estou aqui defendendo a inconstância. Viver como um eterno insatisfeito não costuma ser nada positivo. Cada um de nós, em algum momento, nos pegamos pensando em quais os sonhos que mais uma vez deixamos de perseguir. Eu o convido a aprofundar-se nesse sentimento. Se a resposta que voltar à mente for de que algo precisa mudar, então, prepare-se pessoalmente e profissionalmente para isso e o faça.

Esse exercício de buscar outros caminhos não deve ser só força de um desejo, é preciso ter atitude. Mudar de profissão ou de emprego, por exemplo, para muitas pessoas, tem sido até uma necessidade. O mundo mudou, os mercados também.

Profissões se readequaram ao contexto, algumas parecem estar quase em extinção. Mas talento não se extermina, conhecimento não se rouba e a determinação costuma sair sempre triunfante frente às adversidades.

Precisa de mais exemplos de sucesso? O mundo corporativo é rico neles. A Yamaha, fundada em 1887 para fabricar pianos e órgãos, após a Segunda Guerra Mundial aproveitou-se de seu conhecimento em mecânica e engenharia de precisão para entrar em outro mercado: o de motocicletas. A 3M, empresa de mineração e de manufatura de Minnesota, não teve sucesso na área de mineração e hoje está presente nas nossas casas com o post-it, fita adesiva, fita isolante e até produtos de limpeza. A Nintendo Co. Ltd. que criou os icônicos game boy, super nintendo e wii, tem origem pouco high tech: ela produzia e comercializava jogos de cartas como o Hanafuda, popular baralho japonês.

Interpretar os sinais da economia e da sociedade, enxergar oportunidades e ter maturidade para avançar em nova direção pode trazer a tão desejada satisfação de fazer algo que se gosta. Pense na sua carreira, nos desafios que gostaria de ter, em atividades que seu conhecimento e competência desenvolvidos até aqui podem ser determinantes e avance.

Pense, primeiramente e com muito carinho, na sua vida, na sua felicidade e no que o motiva a entregar o seu melhor. O mundo já está repleto de gente mediana, com vontade mínima e olhar opaco. Seja sua melhor versão. É aí que tudo pode mudar. Para muito melhor.

Roberto Camanho conduz decisões que envolvem orçamentos de bilhões de reais, participa de projetos de pesquisa em processos decisórios e publica trabalhos em congressos internacionais. No Brasil, é pioneiro na aplicação de metodologias de apoio a decisões estratégicas. Desde 1996, atua em empresas dos setores financeiro, aeroespacial, petroquímico, de energia, papel e celulose, mineração, de infraestrutura e agências governamentais – camanho@robertocamanho.com.br



Categorias:Opinião

Tags:,

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: