A realidade aos olhos dos sistemas de gestão das mudanças nas Normas Regulamentadores (NR)

As NR realmente estão ultrapassadas. Assim como toda legislação brasileira, as normas sofreram emendas e mais emendas sob o intuito de manter-se atualizada com linearidade de acordo com as ocorrências, ao mesmo tempo que o mundo empresarial se atualizou de forma exponencial.

luiz

Luiz Otávio Goi Junior

Olhando para as redes sociais, TV e outros meios de comunicação, as NR aparentam passar por mudanças drásticas. Todos os envolvidos aguardam ansiosamente a sua publicação visando reduzir custos, otimizar métodos e ainda aqueles que estão envolvidos em consultorias e afins querem manter-se um passo à frente dos desavisados, podendo vender seus serviços que pagam suas horas e mais horas de leitura, interpretação e seminários nas áreas.

Se você é um destes, que aguarda essas mudanças com tanto otimismo, gostaria de colocá-lo de volta ao solo para refletir comigo. Nossas normas regulamentadoras realmente estão ultrapassadas. Assim como toda legislação brasileira, as normas sofreram emendas e mais emendas sob o intuito de manter-se atualizada com linearidade de acordo com as ocorrências, ao mesmo tempo que o mundo empresarial se atualiza de forma exponencial.

É muito comum, vermos empresas com máquinas nas quais os próprios auditores fiscais não conseguem distinguir em que ponto da norma se encaixam e ainda não sabem especificamente descrever qual a segurança necessária para esta do ponto de vista seguro. O que ocorre nesse momento com nossas normas regulamentadoras nada mais é do que uma tentativa de clarear as interpretações.

Seguramente, após a devida atualização teremos dezenas, centenas, senão milhares de empresas que ficaram com parte de seu escopo mal interpretado ainda e isso ocorre porque o desenvolvimento de ciência em segurança do trabalho no Brasil ainda é muito embrionário. A saúde e segurança do trabalho e outras áreas correlatas ainda não são vistas estrategicamente nas empresas e infelizmente nem no governo (apesar de nesse momento estarmos em alta com os assuntos voltados aos custos previdenciários, etc.) e esse talvez seja o estopim desse perfil existente nos dias de hoje.

É muito provável que, com as atualizações das normas, tenhamos um clareamento e maiores níveis de entendimento entre empresa x fiscal, porém a pergunta que não quer calar é: Como um país que precisa de desburocratização tem mais de 700.000 acidentados por ano? E talvez alguns avaliem esse enxugamento na norma como louco, porém outros veem este como despesa que retira sua competitividade. O problema é que a área voltada ao ambiente de trabalho sadio e seguro precisa receber incentivos do Estado para que possa cumprir o seu papel de forma mais assertiva.

Existem diversos tipos de programas que desenvolvem mercados da medicina, tecnologia, e outros, porém pouco que cria no mercado da segurança do trabalho e saúde de forma acadêmica e pior que isso, pouco se incentiva a fazer diferente. Se o Brasil vier a desenvolver programas de incentivo fiscal e de criação de metodologias de ambientes de trabalho seguro, teríamos uma queda vertiginosa nos números de acidentes, as empresa permaneceriam competitivas com a redução de custos e tanto empresa como fiscalização trabalhariam em conjunto buscando resultados compartilhados.

Essa atuação que existe hoje, que mais parece um braço de ferro, precisa mudar de conceito para que empresa, governo e fiscalização atuem em conjunto para encontrar uma solução viável para esse problema que impacta mais de 700.000 pessoas todo ano com acidente e toda a economia nacional diariamente. Com isso, para você que espera ansiosamente mudança das normas regulamentadoras, peço que tenha paciência e perseverança, pois ainda estamos longe da excelência nesse assunto e ainda precisamos encontrar um caminho de produzir de forma confortável e segura, pois só assim teremos competitividade o bastante no mercado mundial.

Se existe uma batalha a ser travada nesse momento é a favor de desenvolver saúde e segurança de forma sustentável e não uma mera revisão de normas para acelerar a economia. Tudo o que é feito de forma acelerada e que busca resultados rápidos, costuma cair em meio ao vão… os detalhes sempre ficam para trás.

Luiz Otávio Goi Junior é gerente de sistemas de gestão integrados em indústria de grande porte, atua com sistemas de gestão há 12 anos, passando pelos setores de artigos esportivos, energia eólica e na indústria automobilística de autopeças, tem graduação em gestão ambiental, pós graduação em educação, sistemas de gestão integrados e MBA em gestão empresarial – luizgoijraa@gmail.com

Livro: Administrando sistemas, gerindo processos e engajando pessoas

livro

Administrando sistemas, gerindo processos e engajando pessoas é uma obra específica e única, que uniu a busca por um sistema robusto em momentos de crise e crescimento com as necessidades atuais das empresas, ligadas a evolução tecnológica e ao equilíbrio engajamento x processos. Nesse livro estão compiladas vivências em sistemas de gestão com ferramentas práticas que cabem em empresas de qualquer tamanho, segmento e perfil. A linguagem é simples e objetiva, visando focar em aplicações rápidas e práticas.

Para comprar acesse o link preferido:

Amazon: https://www.amazon.com.br/Administrando-sistemas-gerindo-processos-engajando/dp/9895249241

Saraiva: https://www.saraiva.com.br/administrando-sistemas-gerindo-processos-e-engajando-pessoas-10515644.html

Editora Chiado: https://www.chiadoeditora.com/livraria/administrando-sistemas-gerindo-processos-e-engajando-pessoas

Livraria Cultura: https://www.livrariacultura.com.br/p/livros/educacao/pedagogia/administrando-sistemas-gerindo-processos-e-engajando-pessoas-2112003579



Categorias:Opinião

Tags:, , ,

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: