A corrida contra as mudanças climáticas: menos conversa, mais ação

A sustentabilidade faz sentido nos negócios, porque a saúde das empresas depende da saúde do planeta e do povo.

marco

Marcos Matias

A ação climática é inegociável entre setores e em todo o mundo. Com a COP25 em curso, sabemos que a hora de agir é agora. Mas agir vai além de estabelecer boas intenções; requer investimentos de longo prazo e um compromisso coletivo global para criar mudanças positivas. Considere o seguinte: a cada ano, são necessários de US$ 5 a US$ 7 trilhões para cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), das Nações Unidas e, assim, proteger o planeta, aliviar a pobreza e alcançar a paz e a justiça em todo o mundo. Isso é quase o equivalente a todo o PIB do Japão.

Desse modo, a ONU estima que o setor público não será capaz de financiar a implementação da Agenda 2030 por conta própria, tornando a participação da iniciativa privada mais imperativa do que nunca. Vivemos em um mundo onde as corporações podem ser maiores e mais influentes do que países inteiros.

Mas o setor privado é composto por mais do que gigantes da indústria e potências globais, pois inclui empresas de todos os tamanhos, trabalhadores autônomos, associações comerciais, sindicatos, câmaras de comércio e fundações – cada um com um papel crítico no avanço dos ODS. E, no entanto, até o momento, apenas uma fração dos ativos investidos globalmente de bancos, fundos de pensão, seguradoras, fundações e doações e empresas multinacionais está destinada diretamente aos ODS.

A sustentabilidade faz sentido nos negócios, porque a saúde das empresas depende da saúde do nosso planeta e do seu povo. As companhias desempenham um papel central graças aos investimentos que fazem, aos empregos que criam, aos produtos e serviços que oferecem e às cadeias de suprimentos das quais dependem.

Como players do setor privado, podemos nos encarregar da luta com um caso de negócios suficientemente forte e não podemos deixar o financiamento sustentável de projetos no nosso caminho. Pesquisas recentes revelam que falta de capital e problemas para garantir o financiamento do projeto podem ser uma barreira falsa para os investimentos sustentáveis.

Ao apresentar um caso com ROI claramente identificado e benefícios não econômicos, bem como liderança executiva engajada, as companhias podem superar as barreiras percebidas de CapEx e avançar suas contribuições sustentáveis. Um futuro sustentável inclui uma combinação de tecnologias inovadoras para prosperar na transição energética: eletrificação, fontes renováveis e combustíveis verdes.

Além das formas mais óbvias de investir em sustentabilidade, as empresas também têm a responsabilidade de aumentar seus esforços anticorrupção e evitar o desperdício monetário que a corrupção cria. A corrupção custa mais de 5% do PIB global, ou US$ 2,6 trilhões, com mais de US$ 1 trilhão pago em subornos a cada ano. Com políticas mais rígidas, as corporações têm o potencial de redirecionar esses fundos para apoiar iniciativas sustentáveis em todo o mundo.

Onde os países não atuam, empresas e atores privados podem atender à chamada. Vimos o tremendo impacto do coletivo com a coalizão de ação climática que foi formada após os Estados Unidos terem desistido do Acordo de Paris – uma coalizão equivalente em tamanho à terceira maior economia do mundo, composta por estados, cidades, empresas e organizações. Os signatários representam um círculo eleitoral de mais de 50% de todos os americanos e cerca de US$ 6,2 trilhões – uma economia maior do que qualquer nação, exceto Estados Unidos e China.

Também sabemos que assinar promessas e assumir compromissos públicos de sustentabilidade geram resultados positivos. De acordo com um estudo recente liderado pela Schneider Electric, mais de 50% das empresas, que estabeleceram metas públicas, têm maior probabilidade de adotar soluções inovadoras, são mais bem-sucedidas na obtenção de fundos do projeto e têm mais chances de obter melhores resultados. A cada trimestre, tornamos público nosso progresso sustentável, usando o Schneider Sustainability Impact, que fornece uma medida geral de melhorias no desenvolvimento sustentável alinhadas com os ODS.

Além das promessas públicas, iniciativas e coalizões estão conseguindo reunir o setor privado para dar passos sustentáveis. Recentemente, o Compromisso Empresarial Francês sobre o Clima envolveu mais de 100 empresas do índice SBF120 (índice da bolsa de Paris), incluindo a Schneider, para tomar medidas concretas no combate às mudanças climáticas. Outra empreitada significativa é o Negócio para o Crescimento Inclusivo (B4IG), promovido pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico para reduzir as desigualdades ligadas a oportunidade, gênero e território, e criar maiores sinergias com as ações do governo.

A Schneider acaba de entrar no B4IG (Business for Inclusive Growth, Negócios para Crescimento Inclusivo); as empresas que unem forças estão investindo um total combinado de mais de US$ 1 bilhão em mais de 50 programas atuais e futuras, beneficiando 100 milhões de pessoas até o momento. Isso prova que nossos esforços coletivos são mais impactantes do que nossos esforços individuais, em escala local e global.

Marcos Matias é presidente da Schneider Electric Brasil – gabriel.oliveira@rpmacomunicacao.com.br



Categorias:Opinião, Qualidade

Tags:, , , , , ,

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: