Publicado em 27 Oct 2020

Os ensaios em dispositivos à corrente diferencial residual

Redação

O dispositivo à corrente diferencial residual (DR) tem a função de interromper, em um determinado prazo de tempo, a corrente elétrica fornecida a uma carga (aquecedor, bomba, lâmpada), quando uma corrente que flui para a terra (choque ou fuga devido ao mal funcionamento de algum aparelho) excede um valor predeterminado. Esta corrente é geralmente muito menor do que a requerida para acionar a proteção de sobrecorrente (fusível ou disjuntor) do circuito de alimentação. Normalmente, o dispositivo é ligado em série com a alimentação dos equipamentos a serem utilizados. Dessa forma, no caso de 220 V, as duas fases passam pelo dispositivo, enquanto que em 110 V, apenas uma fase e o neutro. De acordo com o princípio de conservação da carga (elétrons não podem ser criados e nem destruídos), toda a corrente elétrica que flui para o equipamento (If1) deve retornar para a fase 2 ou neutro (If2), após ter passado pelo mesmo. O dispositivo DR possui um transformador diferencial que acusa diferenças, entre as duas correntes acima citadas, e transfere esta informação para o circuito eletrônico que comanda o disjuntor. Este disjuntor permanecerá fechado (permitindo a passagem de corrente elétrica para o equipamento) enquanto não houver diferenças entre as duas correntes. Deve-se conhecer os ensaios para os dispositivos à corrente diferencial residual do Tipo B e do Tipo F. Os requisitos e os ensaios completam o conhecimento dos requisitos para os dispositivos à corrente diferencial residual do Tipo A.

Da Redação – 

Os acidentes ocorridos com eletricidade, no lar e no trabalho, são os que ocorrem com maior frequência e comprovadamente os que trazem as mais graves consequências. As normas de segurança estabelecem que pessoas devem ser informadas sobre os riscos a que se expõem, assim como conhecer os seus efeitos e as medidas de segurança aplicáveis.

A Lei de Ohm estabelece que a intensidade da corrente elétrica que circula em uma carga é tão maior quanto maior for a tensão, ou menor quanto menor for a tensão. No caso do choque elétrico, o corpo humano participa como sendo uma carga (resistência elétrica), sendo o corpo humano ou o animal um condutor de corrente elétrica, não só pela natureza de seus tecidos como pela grande quantidade de água que contém. O valor da resistência em Ohm, do corpo humano, varia de indivíduo para indivíduo, e também varia em função do trajeto percorrido pela corrente elétrica.

A resistência média do corpo humano, medida da palma de uma das mãos à palma da outra, ou até a planta do pé é da ordem de 1.300 a 3.000 Ohm. De acordo com a lei citada, e com base no valor da resistência do cor...

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica