Publicado em 30 out 2018

A hora certa de dispensar quem não ama o que faz

Redação

Se isso for feito com sinceridade e franqueza, a saída de uma pessoa de determinada função não se revelará uma surpresa para ninguém na empresa

falconi

Vicente Falconi

A primeira pergunta que um executivo deve se fazer a esse respeito é se está claro para toda a equipe o que se espera dela e se todos sabem o conceito que o chefe faz do desempenho de cada um. A pessoa deve saber a cada instante se está indo bem ou não, de tal forma que sua promoção na função ou seu afastamento se tornem algo claro – e até natural – para todos.

Se o trabalho for conduzido dessa maneira, com sinceridade e franqueza, a saída de uma pessoa de determinada função não se revelará uma surpresa para ninguém na empresa. O tempo que se leva para chegar a uma linha divisória varia de acordo com a gravidade do que surgir da avaliação de desempenho.



Se houver um desvio de ética, por exemplo, a reação da empresa deve ser instantânea, no ato. Se for o caso de alguém que não atingiu a meta, deve-se dar mais um ano de prazo – dar o feedback e oferecer treinamentos que possam melhorar o desempenho do profis...

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica