Publicado em 21 Jul 2020

A gestão no setor aeroespacial

Redação

Há dois fatores críticos na indústria aeroespacial: a qualidade e a confiança. Trata-se de um setor onde os erros ou as falhas no produto ou no serviço podem ser fatais, portanto, a gestão eficaz de um sistema de gestão da qualidade é essencial e uma ajuda significativa para reduzir os riscos e proporcionar fiabilidade. A indústria aeroespacial brasileira opera de forma globalizada competindo no mercado mundial, posicionando-se como líder em vários segmentos de mercado, graças ao domínio tecnológico e à qualidade de seus produtos. As empresas atuam desde a concepção até o suporte pós-venda dos itens por ela produzidos, além de prestarem diversos tipos de serviços especializados. O segmento aeronáutico oferece uma variada gama de produtos, tais como: aviões, helicópteros, seus conjuntos e partes estruturais, motores, seus componentes e peças, equipamentos de radiocomunicação e navegação, sistemas e equipamentos embarcados e para o controle do tráfego aéreo. Também são oferecidos serviços de manutenção, reparo e revisão geral de aeronaves de diversos portes, motores, componentes e equipamentos de sistemas de bordo, além de serviços de projeto e engenharia e serviços industriais relacionados. O segmento de defesa oferece, além de aeronaves especificamente desenvolvidas para os mais diversos tipos de missão, a integração de sistemas, equipamentos, componentes e partes, armamentos não guiados e inteligentes. Na área espacial, fornece satélites pequenos e suas estruturas, seus equipamentos de bordo incluindo cargas úteis, foguetes de sondagem e veículo lançador, sistemas diversos e suas partes, propulsão, respectivos segmentos de solo e serviços envolvendo aplicação de imagens obtidas por satélites, além de consultoria e outros serviços especializados. Dessa forma, as empresas desse setor necessitam possuir um sistema de gestão da qualidade estruturado, quando uma organização necessita demonstrar sua capacidade para fornecer produtos que atendam de forma consistente aos requisitos do cliente e requisitos regulamentares aplicáveis e pretende aumentar a satisfação do cliente por meio da aplicação eficaz do sistema, incluindo processos para melhoria contínua do sistema e assegurar a conformidade com os requisitos do cliente e requisitos estatutários e regulamentares aplicáveis.

Hayrton Rodrigues do Prado Filho – 

Classificado como um setor de grande intensidade tecnológica, o setor aeroespacial é gerador de negócios para as indústrias de ferramenta, máquina e equipamento que investem em sofisticados processos de manufatura. Conjuntos e partes estruturais de aeronaves e satélites, além de motores e componentes de radiocomunicação e navegação são recebidos pelas grandes integradoras - Embraer, Boeing, Airbus e Bombardier - por meio de uma rede de fornecedores. Para se ter ideia desse mercado, em 2017, gerou US$ 6,37 bilhões em receita e foi responsável por 79,97% do mercado aeroespacial brasileiro.

Inseridos em um grupo formado essencialmente por micro, pequenas e médias empresas, segundo o Banco Nacional do Desenvolvimento, os fornecedores brasileiros são escolhidos pela capacidade tecnológica, primeiramente. Com a maior oferta do setor no país, a Embraer segue rigorosos critérios de seleção que levam em consideração soluções técnicas, qualidade do produto, proposta comercial, pós-venda, desempenho do fornecedor, experiência, saúde financeira, capacidade de produção e conformidade com o seu Código de Ética e Conduta.

Quando há demanda abre-se a oferta, por isso depender da Embraer não é salutar e, como caminho alternativo para diversificar as vendas, pode-se acreditar no potencial na formação de um pool de empresas, em que cada uma entrega uma parte do projeto. Integrar todas as manufaturas é uma oportuni...

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica