Publicado em 09 Nov 2021

O controle da contaminação e da limpeza no desenvolvimento de sistemas espaciais

Redação

Para o desenvolvimento de sistemas espaciais saudáveis, os riscos de contaminação e de falta de limpeza pode influir negativamente nos processos. Deve-se compreender que a poeira é onipresente na Terra que não existem ambientes totalmente livres de poeira. E nem todo pó é igual, pois existe uma quantidade inimaginável de fontes de poeira naturais e artificiais. Mesmo a poeira doméstica comum é composta de partículas de diferentes origens, variando de escamas de pele humana e animal e cabelo, pólen e outras partes de plantas a poeira da rua e poeira cósmica. Para se ter uma ideia, até 600.000 minúsculos flocos de pele caem do corpo humano a cada hora e até mesmo pessoas saudáveis perdem uma média de 70 a 100 fios de cabelo todos os dias. Mesmo após uma limpeza completa, os quartos ficam visivelmente empoeirados novamente em menos de um dia. Os seres humanos não apenas perdem as escamas do cabelo e da pele, mas também coletam inconscientemente partículas do meio ambiente. Além disso, mesmo no uso normal ocorre a abrasão em roupas, móveis estofados e tapetes, o que contribui para a formação de poeira doméstica na forma de fibras têxteis finas. A ventilação regular das salas permite não apenas a entrada de ar fresco, mas também o pólen, a fuligem e as partículas de rocha. Dessa forma, a contaminação de ambientes espaciais pode colocar em perigo um satélite, pois uma vez lançados no espaço, os satélites não podem mais receber a manutenção e as contaminações aumentam a probabilidade de mau funcionamento durante a sua vida útil planejada. Mesmo uma única partícula de poeira pode interromper um circuito e a mecânica dos satélites também está sujeita a falhas devido à contaminação, pois os lubrificantes convencionais não podem ser usados durante a operação no espaço. No caso de cargas úteis, um objeto estranho aderido a um espelho ou sensor pode inutilizar os instrumentos. Para evitar isso, os produtos espaciais devem ser fabricados em salas limpas e livre de contaminações que existem em todos os níveis de suprimento, a fim de que o desenvolvimento de sistemas espaciais seja adequado, incluindo instalações de processamento no solo, equipamentos de apoio no solo, veículos lançadores, veículos espaciais, cargas úteis e processamento no solo, e operações em órbita, etc.

Da Redação – 

Qualquer partícula ou resíduo em uma parte de um componente de um satélite ou espaçonave tem o potencial de degradar o desempenho do sistema. Isso é particularmente importante quando a ótica desempenha um papel importante na carga útil, pois as especificações de lentes para sistemas de satélite devem ser tão exatas que poeira ou detritos podem reduzir significativamente o desempenho.

Da mesma forma, as partículas ou resíduos nas superfícies de protetores ou espelhos têm o potencial de absorver ou refletir o calor no espaço, o que pode afetar o desempenho. As partículas também podem corroer e afetar os componentes eletrônicos complexos, potencialmente incapacitando as peças móveis ou outros dispositivos operacionais.

A sala limpa, portanto, filtra as partículas indesejadas alimentando ar filtrado por meio das aberturas de ventilação e retirando o ar sujo pelas aberturas do nível do chão. As salas limpas também são mantidas em pressão positiva com travas de ar que evitam a entrada de ar externo.

Qualquer pessoa que entre na sala limpa deve estar vestida de maneira adequada e os funcionários devem ...

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica