Avaliação e segurança de embalagens em contato com alimentos

beneficio-risco-embalagem

Os métodos para avaliação do potencial de materiais de embalagem de conferir odor ou sabor estranho aos alimentos e bebidas através de testes sensoriais.

Da Redação –

Os regulamentos relacionados às embalagens incluem as embalagens e materiais que entram em contato direto com alimentos e são destinados a contê-los, desde a sua fabricação até a sua entrega ao consumidor, com a finalidade de protegê-los de agente externos, de alterações e de contaminações, assim como de adulterações.

Incluem ainda os equipamentos para alimentos utilizados durante a elaboração, fracionamento, armazenamento, comercialização e consumo de alimentos. Estão incluídos nesta definição: recipientes, máquinas, correias transportadoras, tubulações, acessórios, válvulas, utensílios e similares.

A legislação sanitária de embalagens está organizada por tipo de material, ou seja: plástico, celulósico, metálico, vidro, têxtil e elastomérico. Além disso, algumas normas regulamentadoras estabelecem princípios gerais referentes a materiais em contatos com alimentos e requisitos específicos que se aplicam a alguns materiais.

Os regulamentos sobre embalagens são harmonizados no Mercosul e, portanto, qualquer alteração nestes regulamentos requer discussão e consenso naquele âmbito. Para fins de regulamentação de embalagens, o Mercosul utiliza como referências regulamentos de embalagens e materiais para contato com alimentos da Comunidade Europeia, do Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos da América e do Instituto Alemão de Avaliação de Risco (BfR), entre outras.

As empresas fabricantes de embalagens para contato direto com alimentos devem estar devidamente licenciadas junto ao órgão de vigilância sanitária de sua localidade e devem observar o atendimento aos respectivos regulamentos. As embalagens em geral são isentas da obrigatoriedade de registro junto à Anvisa, de acordo com a Resolução RDC n. 27/2010, o que não as desobriga de atender às exigências definidas nos regulamentos técnicos em vigor.

No entanto, as embalagens obtidas por novas tecnologias como, por exemplo, embalagens de PET pós-consumo reciclado para contato com alimentos, têm obrigatoriedade de registro previamente à sua comercialização. As orientações quanto ao licenciamento de empresas, regulamentos técnicos e obrigatoriedade ou isenção de registro se aplicam às embalagens nacionais bem como às importadas.

NBR 13177 de 01/2012 – Embalagem – Avaliação do potencial de contaminação sensorial de alimentos e bebidas especifica métodos para avaliação do potencial de materiais de embalagem de conferir odor ou sabor estranho aos alimentos e bebidas através de testes sensoriais. Não se aplica à avaliação da migração de compostos de interesse toxicológico.

A amostra (material da embalagem) deve ser protegida da possível absorção de odores externos e da perda de compostos voláteis. Na amostragem de materiais flexíveis, desprezar no mínimo 20 voltas da bobina para a coleta dos corpos de prova. No caso de materiais já cortados ou de sacos pré-formados, amostrar unidades do meio da pilha, evitando aquelas posicionadas nas extremidades.

Quando a amostra for impressa, amostrar a região de maior densidade gráfica, com o objetivo de se caracterizar a região de maior probabilidade de retenção de solventes de impressão e por isso de maior probabilidade de causar alterações sensoriais. Para avaliação de embalagens rígidas (frascos, garrafas ou latas), os testes devem ser feitos com as embalagens de menor volume, por apresentarem maior relação de material de embalagem em contato com o alimento. Para tampas plásticas, rolhas metálicas e selos, o mesmo raciocínio deve ser adotado.

No caso de materiais impressos e/ou laminados, ou com aplicação de verniz, a avaliação sensorial deve ser realizada imediatamente após o corte dos corpos de prova para evitar ao máximo a perda de componentes voláteis. Quando possível, devem-se realizar os testes com o próprio alimento, nas mesmas condições de processamento, envase e estocagem (T ac, área de contato, tempo etc.) às quais ele será submetido, principalmente em casos de testes de desenvolvimento de embalagens e produtos, em que não se conhecem muitas vezes as características das amostras.

No entanto, ao se estabelecerem as condições de temperatura, deve-se atentar para as características do alimento, por exemplo, não submeter simulantes como chocolate e manteiga a temperaturas elevadas que comprometam suas características. Para haver reprodutibilidade nos testes, devem-se utilizar sempre alimentos padrão (mesmo produto e mesma marca) ou simulantes, de modo a reproduzir as condições de teste.

É importante que o alimento simulante a ser utilizado na avaliação não esteja com alterações sensoriais perceptíveis (gosto de velho, por exemplo), o que poderia prejudicar os resultados do teste. Preferencialmente, utilizar produtos com a data de fabricação mais recente possível. Os requisitos de segurança e higiene relacionados a produtos alimentícios devem ser seguidos.

Se for necessária uma amostra de referência, utilizar amostra semelhante ao material ensaiado. Deve-se ter certeza de que a amostra de referência não causa nenhuma alteração sensorial em alimentos. Se não houver material de referência de embalagem ou com condições de qualidade requeridas, é possível preparar a amostra de referência (sem embalagem, usando um recipiente similar sem nenhum tipo de material da embalagem).

Sempre que possível, fornecer um recipiente com amostra para análise de cada um dos provadores. Caso haja diferenças visuais entre os recipientes, é necessário mascará-los (por exemplo, envolvendo-os com folha de alumínio ou outro material).

Para a avaliação de odor, os frascos devem ser codificados com números de três dígitos, devendo-se escolher um dos testes sensoriais descritos na Seção 6 da norma. Uma coisa não se pode esquecer: a higiene é fundamental para prevenir a grande quantidade de doenças que possam ser transmitidas através dos alimentos e que constitui um dos principais problemas de saúde pública na maioria dos países.



Categorias:Normalização

Tags:, , ,

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: