A recuperação de equipamentos em atmosferas explosivas

Quando um equipamento elétrico é instalado em áreas onde concentrações e quantidades perigosas de gases, vapores, névoas ou poeiras combustíveis podem estar presentes na atmosfera, medidas de proteção devem ser aplicadas para reduzir a possibilidade de explosão devido à ignição por centelhas, faíscas ou superfícies quentes produzidas tanto em operação normal como sob condições de falhas especificadas. Isso vale para o reparo desses equipamentos que tem o objetivo de restaurar a integridade do equipamento ao seu projeto original.

recuperação2Da Redação –

O objetivo do reparo de equipamentos para uso em atmosferas explosivas é restaurar a integridade do equipamento ao seu projeto original. Três condições devem ser atendidas simultaneamente antes que um incêndio ou explosão possa ocorrer. Um combustível (gás combustível) e oxigênio devem existir em certas proporções, junto com uma fonte de ignição (calor), como uma faísca ou chama.

A proporção necessária de combustível para oxigênio varia com cada gás ou vapor combustível. Suprimir ou separar com sucesso um ou mais desses três componentes pode evitar incêndio ou explosão.

Equipamentos mecânicos, elétricos, de instrumentação e de processo podem ser considerados como possíveis fontes de ignição em atmosferas potencialmente explosivas, pois podem causar faíscas, fricção ou superfícies quentes. O equipamento elétrico deve ser projetado para não fornecer qualquer fonte de ignição para evitar faíscas ou superfícies quentes.

Uma das principais estratégias para evitar explosões causadas por gases, vapores, névoas e poeiras inflamáveis capazes de formar atmosferas explosivas em conjunto com o ar, é usar equipamento protegido contra explosões (Ex), pois evita a ignição de atmosferas explosivas quando usado corretamente . O reparo é uma ação tomada para restaurar um aparelho defeituoso à sua condição de total manutenção e em conformidade com o padrão relevante que significa as condições de proteção contra explosão para o qual o aparelho foi originalmente projetado ou uma versão mais recente.

Todos os aparelhos novos, modificados, reprojetados ou reparados para uso em locais perigosos em todas as indústrias de superfície e minas devem ter um número de certificado exibido em tal aparelho antes de entrar em serviço. Os reparos e revisões devem ser realizados de maneira que não invalidem o certificado

Ninguém pode usar máquinas elétricas em locais onde haja perigo de incêndio ou explosão devido à presença, ocorrência ou desenvolvimento de partículas explosivas ou inflamáveis, ou onde artigos explosivos são fabricados, manuseados ou armazenados , a menos que tais máquinas elétricas, no que diz respeito à sua construção relacionada à classificação dos locais perigosos em que serão utilizadas, atendam aos requisitos da norma de segurança incorporada para esse fim nestes regulamentos. Dessa forma, os reparadores devem observar se o equipamento Ex reparado é recertificado, a menos que a operação de reparo seja conduzida por um reparador aprovado. O princípio de reparo para equipamentos protegidos contra explosão é que um produto já certificado seja trazido de volta à especificação original. Isso garante que a certificação existente permaneça válida e, mais praticamente, que o equipamento Ex permaneça seguro.

Se uma modificação for necessária, a recertificação também será necessária para avaliar o efeito da modificação na proteção contra explosão. Todos os reparos Ex serão feitos sob um esquema de marca para assegurar que a qualidade do processo de reparo seja controlada.

O equipamento reparado deve ser avaliado por um laboratório de ensaio aprovado se não for feito sob um esquema de marca. Embora alguns fabricantes recomendem a devolução de alguns equipamentos para conserto, também existem instalações de reparo independentes competentes que dispõem de instalações para realizar reparos em equipamentos, mantendo alguns ou todos os tipos de proteção.

O conhecimento detalhado do projeto do fabricante original (que pode ser obtido somente de desenhos de projeto e fabricação) e qualquer documentação de certificação pode ser necessário para equipamentos reparados para manter a integridade do (s) tipo (s) de proteção empregados em seu projeto e construção. Quando o equipamento não for devolvido ao fabricante original para reparo, o uso de instalações de reparo recomendadas pelo fabricante original deve ser considerado.

A seleção do equipamento Ex deve seguir a classificação da área. Um certificado de conformidade deve ser emitido por uma pessoa registrada para a instalação, se um não existir. As instalações de reparo devem cumprir alguns requisitos. A instalação de reparo deve operar um sistema de gestão de qualidade que deve incluir procedimentos documentados para garantir que o trabalho seja realizado dentro de um programa de qualidade de renovação acordado.

O reparador deve nomear uma pessoa responsável para garantir que o equipamento revisado/consertado esteja em conformidade com o status de certificação acordado com o usuário. Deve ter instalações adequadas, assim como o equipamento apropriado necessário. Precisará garantir que as pessoas preocupadas com o reparo do aparato certificado sejam adequadamente treinadas, competentes e supervisionadas neste tipo de trabalho.

Esse treinamento deverá abranger: os princípios gerais do tipo de proteção e marcação; os aspectos do projeto do equipamento que afetam o conceito de proteção; conhecer o processo de certificação e as normas, identificação de peças de reposição ou componentes autorizados pelo fabricante; as técnicas específicas a serem empregadas nos reparos a serem realizados.

A pessoa responsável deve apenas realizar avaliações com as técnicas de proteção contra explosão para as quais eles demonstraram competência. A instalação de reparo deve incluir procedimentos e sistemas adicionais para realizar trabalhos de revisão/reparo em locais externos à instalação de reparo, quando apropriado.

A NBR IEC 60079-19 de 08/2016 – Atmosferas explosivas – Parte 19: Reparo, revisão e recuperação de equipamentos fornece instruções, principalmente de natureza técnica, sobre reparo, revisão, recuperação e modificação de equipamentos projetados para utilização em atmosferas explosivas; não é aplicável aos serviços de manutenção, exceto quando o reparo e a revisão são associados à manutenção, nem fornece recomendações sobre sistemas de entrada de cabos que possam requerer substituição, quando o equipamento for reinstalado; não é aplicável aos tipos de proteção “m”, “o” e “q”; assume que boas práticas de engenharia são adotadas durante todo o processo dos serviços realizados.7

Grande parte do conteúdo desta norma refere-se ao reparo e à revisão de máquinas elétricas girantes. Isto não é devido a estas serem um dos itens de equipamentos mais importantes com tipos de proteção “Ex”, mas sim porque estas são, frequentemente, os equipamentos a serem reparados, nos quais, independentemente dos tipos de proteção envolvidos, existem similaridades suficientes de construção, tornando possíveis instruções mais detalhadas para seu reparo, revisão, recuperação ou modificação.

Quando um equipamento elétrico é instalado em áreas onde concentrações e quantidades perigosas de gases, vapores, névoas ou poeiras combustíveis podem estar presentes na atmosfera, medidas de proteção devem ser aplicadas para reduzir a possibilidade de explosão devido à ignição por centelhas, faíscas ou superfícies quentes produzidas tanto em operação normal como sob condições de falhas especificadas.

Esta parte da série NBR IEC 60079 é complementada por outras normas aplicáveis da IEC, por exemplo, IEC 60364, relativa aos requisitos de instalação e que também se refere à série NBR IEC 60079, e suas respectivas partes, com os requisitos adequados para projeto de equipamentos elétricos. A Seção 4 desta Parte da ABNT NBR IEC 60079 contém requisitos gerais para o reparo e revisão de um equipamento, e é recomendado que seja lida e aplicada em conjunto com outras seções aplicáveis desta norma, que trata dos requisitos detalhados dos tipos de proteção específicos.

Nos casos onde a proteção de um equipamento incorpore mais de um tipo de proteção, é recomendado que todas as seções aplicáveis sejam consultadas. Esta Parte não fornece somente orientação sobre os meios práticos para manter a segurança elétrica e os requisitos de desempenho dos equipamentos reparados, mas define os procedimentos para manter, após o reparo, revisão ou recuperação, conformidade do equipamento com os requisitos do certificado de conformidade ou com os requisitos das normas dos tipos de proteção “Ex” aplicáveis, quando um certificado não for disponível.

A natureza da proteção contra o risco de ignição de uma atmosfera explosiva provida por cada tipo de proteção “Ex” varia de acordo com as suas respectivas características. Para detalhes, é recomendado consultar as normas apropriadas.

Os usuários devem utilizar os recursos de reparo mais apropriados para qualquer item específico do equipamento, sejam eles os recursos do fabricante ou de oficinas de reparo competentes e devidamente equipadas. Esta Parte da ABNT NBR IEC 60079 reconhece a necessidade de uma competência adequada para o reparo, revisão e recuperação dos equipamentos.

Alguns fabricantes podem recomendar que os equipamentos sejam reparados somente por eles. Nos casos de reparo, revisão ou recuperação de um equipamento que tenha sido submetido à certificação de conformidade, pode ser necessário avaliar a continuidade da conformidade do equipamento com o seu certificado original.

Embora alguns fabricantes recomendem que determinados equipamentos “Ex” sejam enviados a eles para serviços de reparo ou recuperação, existem também oficinas de serviços de reparo independentes e competentes, que possuem recursos para realizar serviços de reparos ou recuperação em equipamentos “Ex”, que possuam alguns ou todos os tipos de proteção “Ex” indicados pela série NBR IEC 60079.

Para que os equipamentos “Ex” reparados ou recuperados mantenham a integridade dos tipos de proteção “Ex” utilizados no seu projeto e construção, podem ser necessários conhecimentos detalhados do projeto original do fabricante (os quais podem ser obtidos somente a partir de desenhos de projeto e de fabricação) e da documentação de certificação.

Quando o equipamento “Ex” não é enviado para o fabricante original para reparo ou recuperação, é recomendado considerar a utilização de organizações de reparo recomendadas pelo fabricante original. Esta seção abrange os aspectos de reparo, revisão, recuperação, alteração e modificação que são comuns a todos os equipamentos com tipos de proteção “Ex”.

As seções subsequentes fornecem instruções para os requisitos adicionais aplicáveis aos tipos de proteção específicos. Quando um equipamento incorporar mais de um tipo de proteção, devem ser feitas consultas às seções apropriadas. Ainda não foram definidos os requisitos adicionais para serviços de reparos dos tipos de proteção “m”, “o” e “q”.

Assumindo que os serviços de reparos e revisões são realizados utilizando boas práticas de engenharia, então os serviços de reparo ou revisão que afetem o tipo de proteção devem ser assumidos como estando em conformidade com a certificação, quando peças do fabricante ou peças especificadas forem utilizadas e quando os serviços de reparo ou alteração forem realizados especificamente conforme detalhado nesta norma, com a documentação de certificação indicada, e quando realizados por pessoas competentes, de acordo.

Em situações onde a documentação aplicável indicada não estiver disponível, então os serviços de reparos e revisões devem ser realizados no equipamento de acordo com esta norma e com outras normas aplicáveis. As etapas realizadas para obter a documentação aplicável devem ser registradas nos relatórios de reparo da oficina. Se o equipamento tiver sido modificado, este deve estar de acordo com os requisitos ou o equipamento não pode ser mais considerado adequado para utilização em áreas classificadas.

Para equipamentos do Grupo I, em alguns países os requisitos legais não permitem que serviços de reparo sejam realizados sem a devida documentação, a menos que o equipamento seja completamente reensaiado e um novo certificado seja emitido. Se outras técnicas de reparos ou alterações forem realizadas em desacordo com esta norma, então é necessário consultar o fabricante ou um organismo de certificação, para verificar a adequação do equipamento para utilização em atmosferas explosivas.

É recomendado evitar o reparo de equipamento que não possua placa de marcação “Ex” para fins de instalação em áreas classificadas. É recomendado que a documentação aplicável (ver 4.3.1), juntamente com os registros de todos os reparos, revisões, alterações ou modificações, seja mantida pelo usuário e disponibilizada para a oficina de serviços de reparo.

A documentação e os registros são normalmente arquivados no prontuário das instalações do usuário durante toda a vida útil do equipamento. É importante para o usuário que a oficina de serviços de reparo seja informada, sempre que possível, de falhas, da natureza da aplicação do equipamento e sobre quaisquer informações sobre aplicação especial, por exemplo, motor acionado por conversor de frequência.

É recomendado que o usuário alerte a oficina de serviços de reparo quanto a requisitos especiais estabelecidos nas especificações do equipamento, caso sejam suplementares às diversas normas, por exemplo, um grau de proteção (Código IP) mais elevado ao requerido pela norma técnica devido a requisitos sobre condições ambientais específicas. A reinstalação de um equipamento reparado deve ser realizada de acordo com a NBR IEC 60079-14.

Antes que um equipamento reparado seja recomissionado, é recomendado que os sistemas de entrada de cabos/eletrodutos sejam verificados para assegurar que estes não estejam danificados e que sejam apropriados para o tipo de proteção do equipamento. As oficinas de serviço de reparo devem possuir implantado um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ).

Os serviços de revisão de equipamentos com tipos de proteção “Ex” envolvem a utilização de técnicas especiais. É recomendado que o Sistema de Gestão da Qualidade da oficina de reparo inclua procedimentos documentados para assegurar que os trabalhos sejam realizados dentro de um programa de qualidade estabelecido. Para informações adicionais sobre Sistema de Gestão da Qualidade, ver NBR ISO 9001.

A oficina de serviços de reparo deve indicar uma pessoa (pessoa responsável) com a competência requerida (ver Anexo B) dentro da estrutura organizacional, para assumir a responsabilidade e possuir autoridade para assegurar o nível de atendimento à conformidade do equipamento quanto à certificação, após a revisão/reparo, conforme estabelecido pelo usuário. A pessoa responsável deve possuir pleno conhecimento dos requisitos das normas dos tipos de proteção “Ex” e compreensão desta norma.

A oficina de serviços de reparo deve possuir recursos adequados de reparo e revisão, bem como os equipamentos apropriados e pessoas treinadas conforme as competências exigidas (ver Anexo B), e autoridade para executar as atividades, levando em consideração os tipos de proteção específicos. A oficina de serviços de reparo deve realizar uma avaliação do estado do equipamento a ser reparado, estabelecer o escopo dos serviços a ser realizado e acordar com o usuário o nível de atendimento à conformidade do equipamento “Ex” quanto à certificação após os serviços de reparo.

É recomendado que esta avaliação inclua as justificativas para a não realização de quaisquer ensaios indicados nesta norma e que o usuário possa supor que sejam realizados. A avaliação deve ser documentada e deve conter as seções necessárias da norma aplicável do equipamento e desta norma, devendo ser incluída no relatório do serviço a ser fornecido ao usuário.

Tais avaliações devem ser supervisionadas pela pessoa responsável e executadas por pessoas treinadas. A pessoa responsável deve conduzir avaliações somente com as técnicas de proteção para as quais ela tenha demonstrado a sua competência. A oficina de serviços de reparo “Ex” deve possuir procedimentos adicionais e sistemas para realizar serviços de reparo, revisão, recuperação e modificação em locais externos às suas instalações (offsite), quando apropriado.

A atenção do da oficina de serviços de reparado deve ser direcionada para a necessidade de estar informado e em conformidade com as normas aplicáveis aos tipos de proteção “Ex” e com os certificados, incluindo quaisquer condições de utilização dos equipamentos a serem reparados ou revisados. Todo pessoal diretamente envolvido com reparo ou revisão de equipamentos “Ex” deve ser qualificado ou supervisionado por uma pessoa qualificada.

As competências pessoais podem ser específicas para os tipos de trabalho a serem executados. Os treinamentos e avaliações de competências pessoais são especificados no Anexo B.

Os treinamentos e avaliações apropriados devem ser realizados periodicamente, em intervalos que dependem da frequência de utilização das técnicas ou habilidades e da alteração das normas ou dos requisitos legais. É recomendado que o intervalo normalmente não exceda a três anos.

Quando um componente de um equipamento completo é retirado do local da instalação para reparo, como o rotor de uma máquina elétrica girante, e for impraticável a realização de certos ensaios, a oficina de serviços de reparo deve documentar os detalhes e informá-los ao usuário antes do início do reparo. Em alguns países são aplicáveis requisitos legais, dependendo da extensão da realização ou não de certas atividades ou ensaios.



Categorias:Normalização

Tags:, , ,

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: