A segurança das ferramentas manuais em instalações elétricas

As ferramentas manuais isoladas devem fornecer a proteção para os trabalhadores ao redor de equipamentos elétricos ativos. Devem proteger as pessoas contra choques elétricos e arcos oferecer a proteção ao equipamento que está sendo inspecionado ou reparado. Isso é importante porque, mesmo que eletricistas ou técnicos estejam trabalhando em uma peça de equipamento desenergizada, eles provavelmente ainda estarão próximos a outros equipamentos energizados. Se eles estiverem usando ferramentas manuais que não são isoladas e entrarem em contato acidentalmente com um componente energizado, isso poderá enviar tensão ao vivo por meio da ferramenta diretamente ao usuário. Assim, é importante conhecer as ferramentas manuais isoladas e isolantes usadas para trabalho em instalações elétricas energizadas ou peças próximas a tensões nominais de até 1.000 V ca e 1.500 V cc.

ferramentas2Da Redação –

Deve-se entender que as ferramentas isoladas não são apenas ferramentas comuns com um pouco de borracha extra nas alças ou revestimento genérico na sua extremidade. Elas são projetados de ponta a ponta para proteger os trabalhadores contra choques elétricos de 1.000 V ca e 1.500 V cc.

Dessa forma, elas podem fornecer essa proteção de várias maneiras. Elas devem ser completamente dielétricas até 1. 000 V ca, o que significa que nenhuma parte do isolamento da ferramenta conduzirá eletricidade se entrar em contato com a tensão até esse nível.

Todas as partes da ferramenta, incluindo o isolamento, devem ser resistentes a chamas e devem funcionar entre -20°C a 70°C. As ferramentas como alicates e cortadores devem ter um trilho de proteção para proteger a mão do usuário de escorregar para a parte de metal exposta.

Não se pode esquecer de que as ferramentas isoladas não se restringem a eletricistas, pois são necessárias para quem trabalha em a equipamentos eletricamente ativos ou próximos deles. Isso significa que se precisa delas para abrir e fechar painéis, conectar e desconectar contatos elétricos, cortar fios, realizar serviços em baterias, solucionar problemas ou instalar disjuntores em painéis elétricos ativos, etc.

Ao selecionar as ferramentas isoladas, certifique-se de que elas estejam claramente identificadas como tal e incluam o nível de proteção da tensão. Em linhas gerais, as ferramentas manuais são uma parte tão fundamental do trabalho de um técnico que, às vezes, elas são subestimadas. Ter acesso às ferramentas certas permite que se complete o trabalho profissionalmente e, o mais importante, com segurança.

A maioria dos técnicos de manutenção entra em contato com os circuitos ativos durante o trabalho, o que significa que há risco de choque elétrico se as ferramentas adequadas não forem utilizadas. Infelizmente, a maioria das ferramentas manuais padrão não oferece proteção contra choques elétricos, a menos que sejam isoladas.

Simplesmente embrulhar suas próprias ferramentas com fita isolante ou usar ferramentas com alça de plástico não proporcionará a tranquilidade ou a segurança que as ferramentas com isolamento adequado oferecerão. As ferramentas isoladas foram projetadas para proteger contra ferimentos no caso de se entrar em contato com uma fonte energizada. Todas as ferramentas isoladas devem ser marcadas com o ano em que foram isoladas e um símbolo de classificação oficial de 1.000 V ou 1.500 V, o que garante que se estará protegido para o seu uso.

Elas são importantes ao realizar qualquer trabalho que precise ser concluído em um circuito ativo, oferecendo a proteção significativa para situações em que nem sempre é possível desconectar o circuito, por exemplo, ao trabalhar em uma linha ferroviária que precisa permanecer ativa. Eles também são muito úteis para situações inesperadas, quando não se pode estar ciente de que está trabalhando em um circuito ativo. Sem ferramentas isoladas à mão, pode-se estar correndo o risco de ferimentos graves ou até morte.

Enfim, as ferramentas manuais isoladas desempenham um papel na criação de um local de trabalho seguro para funcionários que trabalham perto de circuitos energizados. Seja no alto, trabalhando em linhas de energia, em um gerador ou reconectando uma peça crítica de equipamento de controle no chão de fábrica, os trabalhadores elétricos precisam de ferramentas projetadas e projetadas para máxima segurança. Utilizadas para proteger trabalhadores que trabalham com equipamentos energizados ou próximas a eles, contra arco elétrico, explosões de arco e eletrocussão, incluem chaves de fenda, chaves, alicates, pinças, decapadores, ferramentas de corte de cabos, tesouras para cabos, facas, pinças, etc.

A NBR 9699 de 07/2015 – Ferramentas manuais – Isolação elétrica até 1.000 V ca e 1.500 V cc aplica-se a ferramentas manuais isoladas e isolantes usadas para trabalho em instalações elétricas energizadas ou peças próximas a tensões nominais de até 1.000 V ca e 1.500 V cc. Os produtos projetados e fabricados de acordo com esta Norma contribuem para a segurança dos usuários desde que sejam utilizados por pessoas qualificadas, de acordo com métodos seguros de trabalho, as instruções de uso (quando aplicável) e as temperaturas de trabalho entre – 10 °C e + 60 °C. As ferramentas manuais isoladas e isolantes devem ser projetadas e fabricadas de tal forma que protejam o usuário de choque elétrico.

As ferramentas manuais isoladas completamente revestidas por material isolante e as ferramentas isolantes minimizam o risco de curto-circuito entre duas partes com diferentes potenciais quando elas são utilizadas da forma correta. Os seguintes requisitos foram preparados a fim de que as ferramentas manuais abrangidas por esta norma sejam projetadas e fabricadas para contribuir com a segurança dos usuários, desde que sejam utilizadas por pessoas qualificadas para trabalho em tensão, de acordo com os métodos seguros de trabalho e instruções para utilização (se for o caso).

As especificações mecânicas de desempenho das ferramentas manuais isoladas devem obedecer às normas correspondentes ou, se nenhuma norma existir, a uma norma internacional, especificada pelo fabricante ou pelo cliente. As especificações mecânicas de desempenho para as partes de ferramentas devem ser obedecidas mesmo após aplicação da camada isolante.

As ferramentas isolantes especialmente designadas para o trabalho em tensão podem ter menor resistência mecânica do que as ferramentas isoladas, mas devem resistir às cargas de trabalho esperadas sem falhar por deformação permanente ou quebra. Essas ferramentas podem ser equipadas com dispositivos que limitam as cargas de trabalho que podem ser aplicadas ao utilizá-las, por exemplo, embreagens deslizantes de carga excedente (ver também o Anexo A).

As ferramentas como chave fixa, estrela, combinada, hexagonais, etc. que possuem múltiplas extremidades de trabalho não são permitidas como ferramentas isoladas, porém são permitidas como ferramentas isolantes, desde que o projeto assegure que não há ligação condutora entre as cabeças de trabalho. As ferramentas devem ser identificadas de forma legível e permanente com as seguintes indicações: na camada do material isolante ou na parte metálica: identificação do fabricante (marca ou logotipo do fabricante e/ou fornecedor); modelo/referência do produto.

Na camada do material isolante: indicação 1.000 V (limite de trabalho elétrico para corrente alternada). Os caracteres devem ter pelo menos 2 mm de altura. Se as ferramentas possuírem componentes condutores (por exemplo, parafusos de ajuste de torque, comutadores de direção de operação etc.), os quais são isolados com revestimento de materiais isolantes, esses revestimentos devem ser bem aplicados, para que não saiam durante o uso normal.

O material isolante deve ser selecionado de acordo com as tensões elétricas, mecânicas e térmicas às quais pode estar exposto durante uso. Além disso, o material isolante deve ter uma resistência adequada ao desgaste e não propagar chamas. O revestimento isolante pode consistir em uma ou mais camadas. Se duas ou mais forem empregadas, cores contrastantes podem ser usadas.

A capacidade de isolação das ferramentas deve ser mantida quando em temperaturas entre – 10 °C e + 60 °C. O material isolante aplicado nas ferramentas deve aderir de forma segura à parte condutora de – 10 °C a + 60 °C. As ferramentas montáveis devem possuir encaixes adequados para prevenir a separação involuntária das partes.

No caso das partes que compõem as ferramentas montáveis, o isolamento deve ser aplicado de tal maneira que, se qualquer parte se soltar durante o uso, nenhuma área condutora pode ser tocada de modo a causar uma descarga elétrica. As ferramentas montáveis com quadrado de encaixe devem possuir dispositivo de acordo com a NBR ISO 1174-1. Para garantir a compatibilidade do isolamento de fabricantes diferentes, essas ferramentas devem ser projetadas com os componentes sobrepostos descritos na figura abaixo. Suas dimensões e tolerâncias devem estar em conformidade com a tabela abaixo.

ferramentas3

Esta norma estabelece ensaios para demonstrar a conformidade do produto com requisitos da Seção 4. Este conjunto de ensaios é previsto para ser usado como ensaio de tipo para validação de parâmetros do projeto. Os ensaios especificados nessa norma devem ser realizados em pelo menos três ferramentas do mesmo projeto e na sequência especificada no Anexo C.

Caso a ferramenta não seja aprovada em qualquer parte do ensaio de tipo, este deve ser repetido em pelo menos seis outras ferramentas que tenham o mesmo projeto. Caso uma das seis ferramentas não seja aprovada em qualquer parte do ensaio, deve-se considerar que o ensaio de tipo, como um todo, não foi aprovado.

As ferramentas que não foram aprovadas nos ensaios de tipo devem ser: destruídas, ou devidamente reprocessadas, ou tornadas inadequadas para uso em tensão. A menos que explicitado de outra forma, os ensaios de tipo devem ser realizados após uma permanência mínima de 4 h, ou o tempo necessário para a estabilização térmica da ferramenta, em um ambiente com temperatura de 23 °C ± 5 °C e umidade relativa de 45% a 75%.

A menos que explicitado de outra forma, são permitidas tolerâncias de ± 5 % para os valores de ensaios especificados. A ferramenta (particularmente, o isolamento) deve ser inspecionada visualmente e deve estar livre de defeitos externos. A legibilidade e a integridade da marcação de identificação devem ser verificadas de acordo com a sua marcação.

Os requisitos a seguir devem ser verificados por inspeção visual: os apresentados em 4.3.1.2, no caso de peças de conexão das ferramentas montáveis; os apresentados em 4.3.2.4, para o tipo de material do dispositivo de retenção das chaves de fenda; os apresentados em 4.3.3, para áreas não isoladas das chaves de aperto. Os requisitos dimensionais em 4.3 devem ser verificados. As dimensões de certos elementos da marcação devem ser verificadas de acordo com 4.1.4. Para fazer a avaliação de conformidade durante a fase de produção, deve ser usada a NBR 5426, juntamente com esta norma.

O Anexo E, emitido com base em uma análise de risco no desempenho das ferramentas, fornece a classificação de defeitos e identifica os ensaios associados aplicáveis no caso de acompanhamento da produção. Deve-se refazer os ensaios de tipo quando houver modificações nas ferramentas que alterem parâmetros de projeto ou processo de fabricação, no todo ou em parte.

As ferramentas manuais que obedecem às normas são geralmente ensaiadas com cargas contendo peso acima do que realmente pode ser aplicado manualmente. Isso se deve ao fato de que: a aplicação dessas ferramentas universais nem sempre é conhecida em detalhes, e tais ferramentas são necessárias para resistir a vários usos impróprios esperados, sem falhar e sem colocar o usuário em risco.

Para o trabalho em redes elétricas, os usuários devem ter um nível de treinamento adequado, e as aplicações de algumas ferramentas devem ser muito bem definidas. As propostas informativas a seguir são baseadas em cargas que podem ser aplicadas manualmente somente em condições normais. As ferramentas isolantes projetadas especialmente para aplicações de trabalho em redes elétricas podem possuir menor resistência mecânica do que as ferramentas isoladas, se elas resistirem às cargas de trabalho esperadas sem falhar por deformação permanente ou ruptura.

Para verificar a capacidade das ferramentas isolantes de resistência às cargas máximas esperadas especificadas no anexo A, os ensaios devem ser realizados de acordo com os procedimentos definidos nas normas para ferramentas isoladas similares. Se essas normas não existirem, os ensaios podem ser especificados pelo fabricante ou pelo cliente. Para estes ensaios, aplicar as condições climáticas e tolerâncias especificadas.

Se as ferramentas isolantes forem equipadas com dispositivos que limitam as cargas de trabalho que podem ser aplicadas mediante sua utilização, por exemplo, embreagem deslizante de carga excedente, esses dispositivos limitantes são ativados antes que essas ferramentas atinjam as cargas de ensaio especificadas. Recomenda-se no mínimo a inspeção visual anual e realizada por pessoa treinada para avaliar a adequação da ferramenta.

Se for necessário um novo ensaio dielétrico por norma ou pelas especificações do cliente, ou no caso de dúvida após inspeção visual, devem ser realizados ensaios dielétricos especificados, com as seguintes modificações: não é necessário o condicionamento especificado no acondicionamento (apenas para o ensaio de tipo); tempo de ensaio deve ser de 10 s após atingir a tensão elétrica especificada; distância do nível da água (ou nível das esferas) a partir do ponto mais próximo da parte metálica exposta deve ser de 24 +4-2 mm; não é necessário medir a corrente de fuga; não é necessário aumentar ou reduzir a tensão elétrica com a taxa uniforme de 1.000 V/s. A ferramenta deve ser considerada como aprovada no ensaio se nenhuma perfuração elétrica, faiscamento ou arco elétrico ocorrerem durante o período de ensaio.



Categorias:Normalização, Qualidade

Tags:, , , , , , , ,

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: