Publicado em 21 Sep 2021

A manutenção, a inspeção e o descarte dos cabos de fibras

Redação

Embora assumam um papel relativamente discreto, os cabos de fibras naturais ou sintéticas estão presentes no dia a dia. Eles são um feixe de fibras trançadas ou enroladas entre si, para permitir a tração de cargas, a fixação de objetos ou a segurança de pessoas durante a prática de esportes, escalada, rapel ou ainda em trabalhos em altura. Os cabos de fibras podem ser compostos de um único material ou uma associação de materiais, como fibras naturais (algodão, juta, sisal, linho e seda) ou sintéticas (náilon, polietileno, polipropileno, poliéster ou fibras de carbono). A bordo de uma embarcação, contudo, o termo corda é reservado para a corda do relógio, sendo em vez dele utilizado o termo cabo. Embora sua definição pareça simples, o processo de fabricação de um cabo de fibras é bastante complexo. As fibras utilizadas, o modo de entrelaçamento, a alma e a quantidade de pernas definida no processo de fabricação interferem em muitas de suas características e aplicação. Esses produtos, de um modo geral, podem ser classificados, segundo a matéria-prima utilizada em sua confecção. Os cabos de fibras naturais são confeccionados com as fibras do caule ou das folhas de algumas plantas têxteis, tais como manilha, sisal, linho cânhamo, linho cultivado, coco, juta e algodão. Atualmente, os cabos de fibras naturais mais empregados são confeccionados com manilha e sisal. Os cabos de fibras sintéticas são os fabricados com matéria plástica, entre elas náilon, polipropileno, polietileno, poliéster e kevlar. Antes de ser submetida à fiação, a matéria filamentosa sofre diversas operações. O curtimento que pode ser feito a seco ou com auxílio de água e tem por finalidade fazer desaparecer a substância gomosa que liga as fibras têxteis. A trituração tem o objetivo de fragmentar a parte lenhosa, os talos. A tasquinha serve para separar os talos, deixando livre a parte têxtil. Feito isto, as fibras são postas a enxugar e depois submetidas à manipulação, a qual tem por finalidade dividir o mais possível, separando umas das outras as fibras têxteis. Por fim, são elas inspecionadas, separadas por qualidade e postas em fardos para irem à fiação. Para se assegurar a boa qualidade dos cabos, as fibras utilizadas devem estar secas, ser longas, novas e genuínas, não adulteradas, sem defeitos, bem fiadas e uniformes. Por isso, os usuários devem compreender os princípios gerais para cuidados e manutenção, inspeção e descarte de cabos de fibras, incluindo reparo e redução da capacidade (downgrade).

Da Redação – 

Os cabos de fibra natural degradam-se com relativa rapidez em condições úmidas e são atacadas por micro-organismos. No entanto, os cabos de fibra sintética são resistentes ao ataque da maioria dos produtos químicos, a menos que sejam altamente corrosivos e/ou a temperaturas elevadas e não são   atacados por micro-organismos comuns. Para o náilon, deve-se evitar os ácidos e a contaminação com ferrugem quando molhado. Para o poliéster, deve-se evitar álcalis diluídos em temperaturas elevadas e álcalis concentrados. Para o polipropileno, deve-se evitar os solventes de hidrocarbonetos voláteis.

Muitas vezes, os cabos de fibra não podem ser projetados de forma confiável para atender a uma especificação de resistência específica sem verificação por meio de testes. A menos que as alterações de um projeto conhecido sejam relativamente pequenas, o conhecimento apenas das propriedades da fibra pode não ser suficiente para prever com precisão a resistência de um novo produto.

Além disso, a resistência irá variar com o tamanho, mas nem sempre em proporção com a quantidade de fibra presente na seção tran...

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica