O projeto de um sistema de aquecimento de água a gás

Usar um aquecedor a gás apropriado pode deixar a sua ducha ainda mais agradável. Porém, antes de instalar, é preciso saber as vantagens e as desvantagens, e avaliar as condições do local da instalação e cumprir a norma técnica para o projeto (contemplando concepção, dimensionamento, arranjo hidráulico e especificação de componentes, entre outros) e a instalação (contemplando montagem, ensaios, entre outros) de Sistema de Aquecimento de Água a Gás (SAAG) para sistemas prediais e uso humano.

Conserto de um sistema de aquecimento de água a gásDa Redação –

Embora o chuveiro elétrico esteja presente em aproximadamente 3/4 das casas brasileiras, segundo dados do Programa de Conservação de Energia Elétrica do Ministério das Minas e Energia (Procel ), o chuveiro a gás é ainda uma opção muito utilizada. Sua principal vantagem é que o sistema não depende de energia elétrica, ou seja, não irá influenciar na conta de luz nem será um problema tomar banho quando houver um apagão. Por outro lado, essa economia vem se reduzindo com os recentes aumentos no preço do botijão de gás.

A NBR 16057 de 04/2012 – Sistema de aquecimento de água a gás (SAAG) – Projeto e instalação estabelece os requisitos para o projeto (contemplando concepção, dimensionamento, arranjo hidráulico e especificação de componentes, entre outros) e a instalação (contemplando montagem, ensaios, entre outros) de Sistema de Aquecimento de Água a Gás (SAAG) para sistemas prediais e uso humano. Esta norma se aplica aos seguintes gases combustíveis: gás natural (GN), gases liquefeitos de petróleo (GLP, propano, butano) em fase vapor e mistura ar-GLP. Esta norma não é aplicável à geração de vapor e ao aquecimento de água para processos industriais.

Recomenda-se que a documentação do projeto do SAAG contemple os seguintes elementos: premissas de cálculo; dimensionamento; memorial descritivo; volume de armazenamento; pressão de trabalho; fontes de abastecimento de água; fontes de abastecimento de gás; previsão de dispositivos de segurança; massa dos principais componentes; considerações a respeito de propriedades físico-químicas da água; planta, corte, isométrico, vista, detalhe e diagrama esquemático, necessários para a perfeita compreensão das interligações hidráulicas e interfaces dos principais componentes; planta, corte, isométrico, vista, detalhe e diagrama esquemático, necessários para a perfeita compreensão da interligação da tubulação de gás e interfaces dos principais componentes; planta, corte, isométrico, vista, detalhe e diagrama esquemático, necessários para a perfeita compreensão da interligação dos componentes da exaustão dos gases de combustão e interfaces dos principais componentes; esquema, detalhes e especificação para operação e controle de componentes elétricos; especificação do sistema de armazenamento; especificação de tubos, conexões, isolamento térmico, válvulas e bombas.

Recomenda-se que os procedimentos de operação do SAAG contemplem: procedimentos para sua partida; rotinas de operação; procedimentos de desligamento, situações de emergência e segurança; quadro sintomático com os problemas mais comuns, seus sintomas e soluções. Recomenda-se que o programa de manutenção contemple as seguintes atividades e suas periodicidades: limpeza dos queimadores; limpeza dos reservatórios térmicos; drenagem e reabastecimento; inspeção periódica dos sistemas elétricos, hidráulicos e da rede de gás combustível.

Recomenda-se que o usuário do SAAG mantenha os seguintes documentos: projeto; manual de operação; ART de elaboração do projeto; ART de instalação; registros de manutenções. Recomenda-se que os documentos citados estejam sempre disponíveis e de fácil acesso para análise, no local da instalação. O projeto do SAAG deve ser elaborado por profissional habilitado, acompanhado da devida Anotação de Responsabilidade Técnica (ART). A instalação do SAAG deve ser supervisionada por profissional habilitado e deve ser acompanhada da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART). O profissional qualificado responsável pela instalação do SAAG deve possuir procedimentos definidos e ser devidamente qualificado para execução dos serviços, bem como registros e evidências que possam comprovar tal capacitação.

Recomenda-se que qualquer alteração no projeto do SAAG seja executada após aprovação do responsável pelo projeto. Regulamentações legais (leis, decretos, portarias no âmbito federal, estadual ou municipal) aplicáveis devem ser observadas na instalação e utilização do SAAG, incluindo, mas não se limitando a, materiais, projetos e instalação. Recomenda-se a análise adequada dos materiais e equipamentos a serem utilizados; serviços de projeto, de instalação e de manutenção, bem como o atendimento aos requisitos de projeto definidos para o funcionamento adequado do SAAG.

Recomenda-se que os materiais e equipamentos atendam aos requisitos das normas de especificação aplicáveis e citadas nesta norma. Recomenda-se que a qualificação da pessoa física ou jurídica prestadora de serviço de instalação possua sua conformidade atestada no tocante aos requisitos de qualidade, segurança e meio ambiente, bem como da mão de obra empregada na realização de cada tipo de serviço executado.

Os aquecedores são responsáveis pelo aquecimento da água a partir da queima direta do gás combustível ou, indiretamente, a partir do aquecimento de fluido de trabalho. Os aquecedores devem ser dimensionados para a potência necessária em função da demanda de água quente da edificação.

Os aquecedores devem operar corretamente dentro dos intervalos de pressão e temperatura de projeto e suportar as condições ambientais previstas para o seu funcionamento, sem comprometimento da vida útil projetada para o SAAG. Para o funcionamento adequado do SAAG, a seleção do(s) aquecedor(es) deve considerar os seguintes parâmetros: perdas térmicas; sistema de armazenamento (se aplicável); local da instalação; tipo de aplicação; simultaneidade de uso; vazão instantânea de água quente; perda de carga de fluido de trabalho; eficiência do(s) aquecedor(es).

O armazenamento de energia gerada, quando necessário, em função da não simultaneidade entre consumo e geração de calor, é feito através do armazenamento de água em um reservatório térmico apropriado e se manifesta pela elevação da temperatura da água armazenada. O sistema de armazenamento deve operar corretamente dentro dos intervalos de pressão e temperatura de projeto e suportar as condições ambientais previstas para o seu funcionamento, sem comprometimento da vida útil projetada para o SAAG.

Para o funcionamento adequado do SAAG, a seleção do sistema de armazenamento deve considerar os seguintes parâmetros: perdas térmicas; estratificação térmica; taxa de recuperação térmica; demanda de água quente. A fim de evitar danos à estrutura do SAAG, devem ser tomadas precauções para que eventuais expansões térmicas da água ou fluido de trabalho, que possam ocorrer mesmo sem que sua pressão supere a pressão de trabalho do SAAG, gerem vazamentos e/ou danifiquem os seus componentes e a rede de distribuição de água quente, assim como a formação de pressão negativa no interior do reservatório térmico.

Os materiais e componentes do sistema e suas interligações devem estar projetados de maneira a conduzir a água ou o fluido de trabalho aquecido de forma segura e minimizando perda térmica, contemplando contração e a expansão devido às mudanças térmicas que surgem em intervalos de temperaturas de serviço. Os materiais e componentes devem resistir à corrosão e calcificação, e ser montados de forma a permitir manutenção com inclusão e exclusão de conexões. Os componentes que contenham partes móveis, devem ser capazes de cumprir a função com a qual tenham sido projetados, sem desgaste ou deterioração durante sua vida útil prevista.

O SAAG deve estar provido de dispositivo de alívio de pressão ou fluido (por exemplo, válvula, respiro) e não pode causar danos estruturais, contaminar a água, criar risco de fogo e colocar em risco a saúde ou segurança. A drenagem de fluido aquecido deve ser conduzida para local apropriado, de forma a evitar acidentes e danos, bem como propiciar identificação da ocorrência.

Os materiais e componentes utilizados no SAAG devem cumprir os requisitos aplicáveis à segurança contra combustão ou incêndio. A tubulação deve ser isolada termicamente em instalações embutidas, aparentes ou enterradas, e a especificação dos materiais deve atender aos seguintes requisitos: ser estável na temperatura máxima a que será exposto em serviço; não ser propagante a chama; quando exposta ao tempo, ser protegida contra ação de intempéries e radiação ultravioleta.



Categorias:Normalização

Tags:, , ,

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: