Os riscos dos ingredientes de cosméticos

Se o consumidor ler os rótulos dos cosméticos e dos produtos de higiene pessoal mais comuns, pode se assustar com os termos e siglas, muitas vezes difíceis de pronunciar e que podem se revelar prejudiciais para a saúde, desde uma simples alergia tópica a problemas de sensibilidade a determinados ingredientes ou irritação da pele.

cosmético2Da Redação –

Segundo os especialistas, o ingredientes mais nocivos utilizados em cosméticos envolvem várias substâncias. Os conservantes são substâncias adicionadas aos produtos cosméticos que contêm água para evitar o desenvolvimento de fungos ou bactérias.

O formaldeído é encontrado em muitos produtos de uso diário e também amplamente utilizado como conservante em bases, xampus e esmaltes. Além de ser uma substância conservante, é um bactericida poderoso e, embora tenha sido considerado carcinogênico, continua presente em uma ampla gama de produtos, mesmo em concentrações muito baixas.

Os parabenos podem ser encontrados nas formulações como metilparabeno, etilparabeno, propilparabeno, isobutilparabeno, butilparabeno e benzilparabeno, utilizados como conservantes em hidratantes, protetores solares, pastas dentífricas, xampus; produtos para limpeza íntima, desodorantes, gel de barbear, em suma, em muitos cosméticos de uso diário, mesmo nos chamados produtos naturais e orgânicos.

Têm sido amplamente demonstrados como substâncias capazes de penetrarem na pele e permanecerem intactos no interior dos tecidos, de forma cumulativa. Embora sejam legalmente autorizados em muitos países, como na UE por exemplo, os parabenos estão sob suspeita de serem cancerígenos.

O quaternium-15 faz parte dos conservantes e está presente em muitos produtos cosméticos de maquiagem para os olhos, em bases, em xampus, e também em loções hidratantes e filtros solares. A substância é considerada prejudicial porque libera formaldeído, é tóxica e pode levar à sensibilização.

O kathon CG é um outro conservante de amplo espectro de ação antimicrobiana, incolor e inodoro contido em produtos dermocosméticos, em produtos de cuidados pessoais e produtos de limpeza doméstica. Do ponto de vista toxicológico, o kathon CG foi classificado como irritante primário, apesar de ser muitos usado. É possível encontrar nos rótulos seus sinônimos como grotan, euxil ou isotiazolina.

A maioria dos cosméticos e produtos para cuidados pessoais nas prateleiras das lojas contém cinco categorias principais de ingredientes tóxicos: carcinógenos francos (cancerígenos); precursores de substâncias cancerígenas ocultas; endócrino ou perturbador hormonal; intensificadores de penetração; e alérgenos. Como a pele é altamente permeável, menos de um décimo de uma polegada de espessura, é uma membrana porosa que é altamente sensível a produtos químicos tóxicos. O que é colocado na pele afeta a saúde da pessoa tanto quanto, se não mais, o que se coloca na boca.

Alguns ingredientes tóxicos permanecem ilegalmente sem descrição nos rótulos, particularmente os ftalatos hormonais e os intensificadores de aroma sintéticos que aumentam as fragrâncias orgânicas. Igualmente, pode incluir mercúrio, ftalatos, formaldeído, alcatrão de hulha, parabenos, laureth sulfate de sódio e ingredientes comuns de triclosan, muitos produtos de “beleza” são mais adequados no laboratório de ciências do que na sua pele. A olho nu, a pele pode parecer uma camada impermeável, mas a ciência mostra que cerca de 60% das substâncias químicas que entram em contato com a pele são absorvidas.

Uma classe de produtos químicos que tem despertado o alarme dos pesquisadores é conhecida como desreguladores endócrinos. Esses produtos químicos imitam os hormônios naturais, como o estrogênio, e são conhecidos por aumentar o risco de certos tipos de câncer.

Os produtos químicos que destroem hormônios estavam associados a uma série de problemas de saúde, incluindo câncer de mama, testículos não descendentes em homens jovens, câncer de mama em mulheres, câncer de próstata em homens, distúrbios de desenvolvimento em crianças e câncer de tireoide.

No entanto, apesar dos perigos, muitos cosméticos contêm esses produtos químicos. Desreguladores hormonais comuns incluem BPA, perclorato, arsênico, dioxina, retardadores de chama, produtos químicos perfluorados (PFCs), atrazina e pesticidas organofosforados.

O caminho mais seguro a ser tomado é evitar produtos com químicos o máximo possível. Existem muitas marcas orgânicas que têm formulado cosméticos, detergentes e produtos de higiene pessoal sem todos os produtos químicos nocivos. Contudo, algumas marcas naturais tradicionais ainda usam produtos químicos prejudiciais como o sodium lauryl/laureth sulfate (SLS), portanto, tome cuidado ao ler rótulos e comprar produtos orgânicos certificados sempre que possível.

A NBR ISO 16128-1 de 10/2018 – Diretrizes sobre definições técnicas e critérios para ingredientes e produtos cosméticos naturais e orgânicos – Parte 1: Definições para ingredientes fornece diretrizes sobre definições para ingredientes de cosméticos naturais e orgânicos. Além dos ingredientes naturais e orgânicos, são definidas outras categorias de ingredientes e as restrições associadas, que podem ser necessárias para o desenvolvimento de produtos naturais e orgânicos. A NBR ISO 16128-1 não aborda a comunicação do produto (por exemplo, alegações e rotulagem), segurança humana, segurança ambiental e considerações socioeconômicas (por exemplo, comércio justo), e as características dos materiais de embalagem ou requisitos regulamentares aplicáveis aos cosméticos.

Esta parte fornece diretrizes sobre definições e critérios para ingredientes e produtos cosméticos naturais e orgânicos. Estas diretrizes são específicas para o setor de cosméticos, levando em conta que a maioria das abordagens existentes escritas para o setor agrícola e alimentar não são diretamente transferíveis para os cosméticos. As diretrizes aplicam o julgamento científico e oferecem princípios para um quadro racional consistente para ingredientes e produtos cosméticos naturais e orgânicos que incorporem abordagens comuns usadas nas referências existentes.

O objetivo destas diretrizes é incentivar uma maior escolha de ingredientes naturais e orgânicos na formulação de uma maior variedade e diversidade de produtos cosméticos, incentivando a inovação. No entanto, é comum, com base em outras referências de domínio público, também cobrir critérios para ingredientes, bem como definições e critérios para produtos acabados. Isso será abordado na ISO 16128-2, que irá construir e melhorar esta parte.

Os ingredientes naturais são ingredientes de cosméticos obtidos somente de plantas, animais, micro-organismos ou minerais, incluindo aqueles obtidos destes materiais por meio de: processos físicos (por exemplo, moagem, secagem, destilação), reações de fermentação que ocorrem na natureza e dão origem a moléculas que ocorrem na natureza, e outros procedimentos de preparação, incluindo os tradicionais (por exemplo, extração utilizando solventes) sem modificação química intencional (o Anexo A inclui a definição de solventes e as categorias de extratos que utilizam solventes para o processamento e fabricação do ingrediente).

Os seguintes materiais, e materiais originados deles, devem ser considerados como sendo abrangidos pelo título geral de origem natural: plantas, incluindo fungos e algas. Os ingredientes originados de plantas geneticamente modificadas podem ser considerados ingredientes naturais em certas regiões do mundo. Também são incluídos os minerais, os animais e os micro-organismos. Os ingredientes obtidos de combustíveis fósseis estão excluídos da definição.

Para esclarecer, o termo “natural” não é usado nesta Parte para indicar as características de um aroma, uma cor ou um sabor. Com base nas definições apresentadas nesta Parte, que são específicas de produto cosmético, uma matéria-prima natural aromática, de acordo com a ISO 9235, pode ser composta por ingredientes naturais, ingredientes derivados naturais ou uma mistura dos dois.

A ISO 9235 define matérias-primas naturais aromáticas que podem ser usadas em diversos setores, inclusive cosméticos. Como estas são misturas complexas, a informação necessária pode ser obtida do fornecedor da matéria-prima aromática. Os ingredientes minerais naturais são ingredientes naturais que são substâncias inorgânicas (ou seja, derivados não carbônicos e sais de carbonato) que ocorrem naturalmente na terra, possuindo uma fórmula química distinta e conjunto consistente de propriedades físicas (por exemplo, estrutura cristalina, dureza, cores).

Os ingredientes orgânicos são ingredientes naturais originados a partir de métodos de cultivo orgânico ou de extrativismo, de acordo com a legislação nacional ou normas internacionais equivalentes, quando aplicável. O termo “cultivo orgânico” pode ser definido de acordo com a jurisdição nacional específica quando aplicável. A água, tal como definida em 2.4, exceto a água constitutiva, e os minerais estão fora do escopo de cultivo orgânico.

A água é considerada natural. Entretanto, os tipos de águas definidas na lista a seguir podem ser tratados de forma diferente. A água constitutiva é o conteúdo líquido (suco) das plantas frescas. A água de reconstituição é equivalente à água encontrada no material original e é usada para reconstituir o material seco ao seu conteúdo original. A água de extração é a água usada para extrair fisicamente os ingredientes de uma mistura de materiais.

Para os efeitos da NBR ISO 16128, a água que não for definida acima é designada como “água de formulação”. Os ingredientes derivados naturais são ingredientes de cosméticos com um componente superior a 50 % de origem natural, determinada pelo peso molecular, pelo conteúdo de carbono renovável ou por quaisquer outros métodos pertinentes, obtidos por meio de processos químicos e/ou biológicos definidos com a intenção de modificação química.

Uma lista informativa de tais processos é fornecida no Anexo B. Processos enzimáticos e microbiológicos também podem dar origem a ingredientes derivados naturais, onde ocorre uma modificação química intencional. O grau de origem natural é geralmente quantificado por peso molecular ou por carbono renovável, resultando, em certos casos, de ingredientes de origem integralmente natural.

O Anexo A fornece informação sobre solventes em relação à fabricação do ingrediente. O Anexo C apresenta cálculos no caso de o peso molecular ser conhecido ou desconhecido. Os ingredientes derivados orgânicos são ingredientes de cosméticos de origem orgânica ou mista orgânica e natural, obtidos por meio de processos químicos e/ou biológicos definidos (ver Anexo B) com a intenção de modificação química, que não contêm qualquer fração de origem de combustível fóssil.

Uma lista informativa de tais processos é apresentada no Anexo B. Se a reação química ou biológica resultar em compostos múltiplos, os principais produtos químicos que determinam as propriedades do ingrediente devem conter uma fração de origem orgânica na molécula. Processamentos enzimático e microbiológico também podem dar origem a ingredientes derivados orgânicos, onde ocorre uma modificação química intencional.

O Anexo A apresenta informação sobre solventes em relação à fabricação do ingrediente. Os ingredientes derivados minerais são ingredientes cosméticos obtidos por meio do processamento químico de substâncias inorgânicas que ocorrem naturalmente na Terra, com a mesma composição química dos ingredientes minerais naturais. Uma lista informativa de tais processos é apresentada no Anexo B.

O Anexo A apresenta informação sobre solventes em relação à fabricação do ingrediente. Uma lista informativa de ingredientes derivados minerais está inclusa no Anexo D. Ingredientes não naturais são ingredientes com peso molecular maior ou igual a 50 %, com origem em combustível fóssil ou outros ingredientes que não se enquadram em qualquer outra categoria definida nestas diretrizes.

O Anexo C apresenta cálculos no caso de o peso molecular ser conhecido ou desconhecido. Para os efeitos destas diretrizes, um solvente pode ser definido da seguinte forma: uma substância, geralmente um líquido, capaz de dissolver ou dispersar um ou vários ingredientes. Existem duas categorias de solventes: solventes de ingredientes: solventes nos quais os ingredientes foram dissolvidos ou dispersados antes e/ou durante a fabricação de um ingrediente (extração de ingrediente) e que permanecem no ingrediente final. Esse ingrediente final é uma mistura de ingredientes.

Já os solventes de processo são os usados na fabricação de ingredientes que não permanecem, exceto como traços. Após o uso, convém que os solventes de processos sejam completamente removidos ou no mínimo removidos a tal ponto que estejam somente contidos em concentrações de traço tecnologicamente inevitáveis no ingrediente final. Se um solvente de ingrediente não natural for usado sozinho ou misturado, a categoria final de ingrediente é considerada não natural.

cosmético

Recomenda-se ainda a consulta à NBR ISO 21148 de 01/2008 – Cosméticos – Microbiologia – Instruções gerais para pesquisa microbiológico que fornece instruções gerais para realizar análises microbiológicas de produtos cosméticos, para garantir qualidade e segurança, de acordo com uma análise de risco apropriada (por exemplo, baixa atividade de água Aw, teor hidroalcoólico, valores extremos de pH). Em virtude da grande variedade de produtos e usos potenciais dentro do campo de aplicação, estas instruções podem não ser apropriadas para alguns produtos em todos os detalhes (por exemplo, produtos imiscíveis em água).



Categorias:Normalização, Qualidade

Tags:, , , , , ,

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: