A determinação da faixa etária dos brinquedos para as crianças

Quando se pensa em um brinquedo adequado para uma criança, a segurança é crucial e a idade conta muito. Contudo, a indicação da idade é só uma forma de padronizar a segurança, pois as crianças podem ter diferenças e particularidades e o recomendado é ir além da indicação da faixa etária na embalagem e tomar cuidado – principalmente para os de três e quatro anos – com peças pequenas. Algumas ideias para os pais: logo depois de tirar o brinquedo da caixa: sacuda, balance, veja se não tem nada caindo, lascado ou pontiagudo; os cordões devem ter até 15 cm no máximo; confira se o acesso a baterias e pilhas está totalmente fechado, com parafusos; as tintas dos brinquedos não podem descascar; e, periodicamente, faça uma revisão dos brinquedos. Conheças as diretrizes para a determinação do início da faixa etária em que as crianças começam a brincar com brinquedos específicos, avaliando a conformidade dos brinquedos com as normas de segurança.

editorial2Todos os brinquedos devem trazer a indicação de idade em um lugar visível da embalagem. Essa informação é muito importante e deve ser levada sempre em consideração. Um brinquedo não adequado pode gerar frustração, já que a criança não vai conseguir brincar. A sensação será de derrota. Deve sempre existir um selo de conformidade e a indicação da idade garante que o brinquedo é seguro, não tendo, por exemplo, peças pequenas que possam ser engolidas. A conformidade garante que não há materiais tóxicos ou perigosos na composição dos brinquedos.

Para até um ano, os brinquedos precisam ser macios e devem estimular os sentidos. É importante evitar sons altos para não agitar demais o pequeno. A presença de um adulto durante a brincadeira é fundamental. De um a três anos, as crianças entram numa fase em que gostam de imitar gente grande. Também estão atentas a sons e adoram música. A presença de um adulto continua imprescindível.

De três a cinco anos, os brinquedos passam a ter o papel de companheiros das crianças. É hora de dar aos pequenos algo que estimule a memória, o raciocínio, a criatividade e a coordenação motora.

De cinco a sete anos, as crianças estão mais atentas e gostam de brincar com outras pessoas. Eles já se interessam por eletrônicos. Acima de sete anos as crianças já têm capacidade para jogos que exijam raciocínio e estratégia. Ou mesmo os que ajudem a gastar energia e a movimentar o corpo. Incentive a garotada a brincar fora de casa, em parques ou no clube. Nessa fase, eletrônicos começam a ser os preferidos.

A ABNT ISO/TR 8124-8 de 08/2017 – Segurança de brinquedos – Parte 8: Diretrizes para a determinação do início da faixa etária fornece diretrizes para a determinação do início da faixa etária em que as crianças começam a brincar com brinquedos específicos e é essencialmente dirigido a fabricantes e agências que avaliam a conformidade dos brinquedos com as normas de segurança. Também pode ser usado como referência para determinar a adequação de brinquedos para a mais nova idade, por distribuidores, instituições e organizações envolvidas com a brincadeira de criança, bem como por instituições pediátricas, professores, outros profissionais que usam brinquedos em suas atividades rotineiras e consumidores.

A idade em que as crianças desenvolvem habilidades diferentes é única para cada criança. Essas diretrizes ilustram as faixas etárias durante as quais uma criança desenvolveu certas habilidades. Embora a classificação etária tenha as implicações de segurança, estas diretrizes não se destinam a atender aos requisitos de segurança específicas. Requisitos específicos de segurança para brinquedos podem ser encontrados nas normas de segurança da série ISO 8124 (e em outras normas de segurança de brinquedos regionais e regulamentos).

Como exemplo, estes padrões vão restringir a presença de partes pequenas e bolinhas em brinquedos destinados a determinados grupos etários, devido ao perigo de asfixia. As diretrizes de determinação da idade são com base no parecer de especialistas e padrões de jogo tradicionais de crianças. As diretrizes podem ser diferentes de regulamentos nacionais ou regionais ou diretivas que classificam um brinquedo, ou categoria de brinquedo, que se destinam a uma idade diferente.

O Anexo B fornece detalhes sobre como a informação sobre os brinquedos eletrônicos e eletrônicos em brinquedos que foi considerada na elaboração dessas diretrizes de determinação da idade. Para a elaboração deste Relatório Técnico, foram consideradas as faixas etárias, assim como os aspectos relacionados ao desenvolvimento das crianças do documento da ISO N459_NWIP_Age_determination_guidelines. As subcategorias de brinquedos consideradas neste Relatório Técnico se basearam na adaptação de Raquel Zumbano Altman, para o Brasil, do original da classificação international do I.C.C.P. (International Council of Children Play) de André Michelet e do Centre National d’Information du Jouet (França), de 1981, classificando os brinquedos de acordo com suas finalidades, características e funcionalidades, e na atualização desta mesma classificação realizada no Laboratório de brinquedos e materiais pedagógicos (Labrimp) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP), em 1997, pelas Profas. Dra. Tizuko Morchida Kishimoto, Raquel Z. Altman e Roseli Aparecida Monaco.

Conforme propõe a classificação original, novas subcategorias foram inseridas. A revisão e a inclusão das subcategorias apresentadas neste relatório técnico consideraram principalmente a evolução natural do mercado de brinquedos e o esclarecimento de possíveis impasses relacionados à segurança de brinquedos (conforme o novo ICCP, 2012).

Assim, pode-se definir as categorias de brinquedos como a classificação do brinquedo de acordo com a sua finalidade e função específica. Este relatório técnico implementa as sete categorias de brinquedos (ver Anexo A): atividades sensório-motoras – primeira idade; brinquedos para atividades físicas; brinquedos para atividades intelectuais; brinquedos que reproduzem o mundo técnico; brinquedos para o desenvolvimento de sentimentos de empatia; brinquedos para atividades criativas; brinquedos para relações sociais. Normalmente, os seguintes desenvolvimento e comportamento podem ser observados em crianças com idades a partir do nascimento até os 4 meses.

Ainda não possuem habilidades motoras necessárias para brincar com brinquedos, os quais se tornam objetos de exploração e entretenimento ao invés de serem usados para brincar. Estão impossibilitados de interagir com livros em função da ausência de capacidades físicas, cognitivas e visuais necessárias para isso. São atraídas por elementos multissensoriais, são capazes de reconhecer os pais, possuem reflexo de sugar e mamar, são incapazes de se sentar sozinhas, possuem movimentos bruscos, descontrolados e limitados. Possuem movimentos inatos involuntários. Elas pegam, tocam, agarram, seguram, apertam e chacoalham o que tem nas mãos sem noção da força que têm nos braços.

Por volta dos três meses, são capazes de apanhar e segurar objetos (suspensos ou não). Detectam, exploram e sentem os objetos com as mãos e a boca. O processo de aprendizagem ocorre por meio dos sentidos e dos reflexos, pela assimilação de reações aos estímulos e repetição de movimentos. O aparato orgânico do sistema auditivo está pronto ao nascimento, mas necessita de maturação neurológica e experiências sensoriais para que se desenvolvam as funções auditivas.

Demonstram muita sensibilidade aos sons ambientes por conta da imaturidade e falta de experiências. Desde o nascimento, as crianças reagem a esses sons e à fala humana. Por volta de dois meses, a maioria dos bebês fica quieta ao ouvir vozes familiares. Por volta dos três meses, localizam e respondem aos sons e apresentam vocalizações que podem estar relacionadas a sensações de bem-estar, como o banho e a alimentação.

Viram a cabeça na direção de um som e são mais atraídos por objetos que emitem sons que lhes são conhecidos por fazerem parte da sua rotina. O desenvolvimento da visão é progressivo. Ao nascer, o foco ocular da criança é melhor cerca de 20 cm a frente do rosto. Com um mês as crianças são capazes de focar objetos a 30 cm de distância e, até os três meses, podem enxergar a alguns metros de distância. A acuidade visual no momento do nascimento é de 2,5% a 5%, melhorando para cerca de 20% até o terceiro mês. São atraídos por cores vivas, como amarelo e vermelho, embora não consigam distinguir claramente entre eles. Com dois meses de idade, os receptores de cores primárias estão desenvolvidos e podem distinguir entre contrastes e as cores primárias vermelha, amarela e azul. São recomendadas as subcategorias de brinquedos da tabela abaixo para essa faixa etária. Na norma, estão disponíveis tabelas para todas as outras seis subcategorias de brinquedos em relação à idade.

editorial3

Para as crianças com idade a partir de quatro meses até os oito meses, normalmente, os seguintes desenvolvimento e comportamento podem ser observados: são atraídas por elementos multissensoriais e possuem interesse crescente pelo ambiente que os cerca. Encontram-se na fase oral e entram na fase de dentição. Possuem movimentos inatos involuntários. O processo de aprendizagem ainda ocorre por meio dos sentidos, sobretudo por meio da boca e dos reflexos, pela assimilação de reações aos estímulos e repetição de movimentos.

Continuam o desenvolvimento auditivo e já usam suas habilidades visuais e motoras para participar de brincadeiras. São capazes de interagir com brinquedos e objetos. Tem início a consciência da existência e permanência de objetos (continuam a existir mesmo longe de seus olhos). Imitam movimentos e gestos simples. São plenamente capazes de localizar sons. Experimentam jogos vocais que evidenciam repetição de uma mesma sílaba como “mamama”, “papapa”, a partir de quatro meses.

Começam a interagir com o adulto que desenvolve jogos de linguagem com a criança, em que palavras são ditas repetidamente. Apreciam melodias e sons. Entre os quatro meses e seis meses são mais sensíveis a eles e reagem às mudanças nos tons de voz e sons. Utilizam os membros para se movimentar, rolando para os lados, lançando-se para frente e para trás. Possuem maior eficácia em se posicionar no chão para brincar, começam a sentar sozinhas e engatinhar entre cinco meses e seis meses.

Possuem pouca coordenação motora grossa e fina, bem como movimentos descoordenados dos membros. A coordenação motora fina das mãos está em desenvolvimento progressivo. Seguram objetos com a palma das mãos (preensão primitiva). Agarram com força, estendem a mão para alcançar objetos, são capazes de transferir objetos de uma mão para a outra. Por volta dos 6 meses, a acuidade visual é quase igual à de um adulto. São atraídos pelo vermelho e amarelo e padrões estampados.

Para as crianças com idade a partir de oito meses até os 12 meses, normalmente, os seguintes desenvolvimento e comportamento podem ser observados em crianças com idades a partir de 8 meses até os 12 meses. Podem ficar ansiosas na falta da figura materna (ou paterna) ou na presença de estranhos. Apegam-se a objetos (cobertor, pelúcia, etc.) que oferecem conforto e segurança. Começam a desenvolver comportamentos imitativos e conseguem reconhecer vozes, melodias e sons. Podem repetir melodias e sons, após ouvir algumas repetições.

A partir de oito meses, o balbucio se aproxima dos sons da língua materna. Começam a imitar algumas ações com uso de materiais ou brinquedos que sejam familiares, como embalar uma boneca (é a primeira fase de simbolização) e a entender o significado de alguns gestos (beijo, tchau e vem cá). Passam a se expressar por meio de gestos (por exemplo, abrem e fecham a mão quando querem algo), porém ainda apenas reconhecem o que está em seu campo imediato de visão. Entram na fase da verbalização das primeiras palavras e as associam com ações, mas se limitam aos dados do seu entorno imediato. Portanto, já se observa uma comunicação intencional verbal e física. Ainda são atraídas por elementos que estimulam todos os sentidos.

Crianças com idade a partir de 12 meses até os 18 meses, normalmente, os seguintes desenvolvimento e comportamento podem ser observados em crianças com idades a partir de 12 meses até os 18 meses. Não são capazes de alternar os pés ao movimentar brinquedos de sentar-se ou cavalgar, eles ainda não conseguem pedalar. O primeiro passeio em brinquedos não necessita de mecanismos de direção, porque crianças pequenas podem não ser capazes de usá-los de forma eficaz. Além disso, eles podem imitar esportes apenas de uma forma lúdica, sem regras.

Crescem mais lentamente e possuem movimentos e coordenação motora grossa mais desenvolvida. A coordenação motora fina está em contínuo desenvolvimento, mas a destreza ainda é limitada. Crescimento contínuo da coordenação viso-motora. Começam a escolher seus próprios brinquedos e os guardam consigo. Já são capazes de lembrar eventos passados e continuam gostando de explorar objetos com as mãos e boca. Usam todos os sentidos para explorar o mundo. Possuem pensamento simbólico simplista.

Crianças com idade entre 18 meses e 24 meses, normalmente, os seguintes desenvolvimento e comportamento podem ser observados. Possuem habilidades motoras finas mais refinadas e novos ganhos de coordenação motora grossa, mas possuem destreza limitada. Podem construir pilhas com poucos blocos juntos. Folheiam páginas com cuidado para não as rasgar e, regularmente, nomeiam e apontam para objetos familiares em livros. Entendem que as imagens contam uma história e que o adulto está lendo. Ainda precisam de meios não verbais para se expressar.

Possuem compreensão da rotina diária por meio da sequência dos eventos e aumentam as imitações dos comportamentos observados. Já possuem pensamento representacional e surgem brincadeiras simbólicas, brincam de faz de conta com atividades cotidianas de forma isolada (por exemplo, mamãe e filhinha, falar no telefone, etc.). Aos 20 meses, conseguem transportar objetos nas mãos enquanto caminham, são capazes de encaixar e desencaixar peças simples (encaixe simples).

Utilizam blocos para construir estruturas e pensam que derrubá-las é uma atividade divertida. Conseguem encordoar contas grandes e encaixá-las em buracos grandes. Rabiscam formas abstratas e ângulos simples. O senso espacial está em desenvolvimento: “da frente”, “de trás”, “de cima” e “de baixo”.

Reconhecem as partes do corpo humano. Possuem maior desenvolvimento da memória e são capazes de brincar com jogos simples e fantoches. O aprendizado ocorre por meio de repetição e compreendem pouco a pouco a relação causa e efeito. Já são nítidas as ações com objetivos.

São capazes de encaixar seus membros (braços) em grandes aberturas, exploram outras habilidades físicas, como equilibrar, saltar e correr. Alternam os pés/passos, mas ainda são incapazes de pedalar e dirigir veículos com precisão. Conseguem puxar carrinhos e carroças.

Possuem força, equilíbrio e um andar mais estável e confiante. Dançam, saltam, correm, giram, pulam, batem palmas, batem os pés, etc. Conseguem pressionar os botões de teclados (computador/tablet/smartphone), com uma compreensão da resposta esperada. São capazes de usar controles remotos (por exemplo, TV) e outros dispositivos simples. Estão cientes do interesse dos adultos por computadores, tablets e smartphones.

As crianças com idade entre 24 meses e 36 meses, normalmente, tem os seguintes desenvolvimento e comportamento podem ser observados em crianças com idades a partir de 24 meses até os 36 meses. Possuem maior coordenação motora grossa, fina e força. Já possuem melhor destreza e há conexão entre as atividades motoras e cognitivas. São capazes de lançar, apanhar e chutar uma bola sem cair. Andam, correm, pulam e se equilibram razoavelmente bem.

Podem reconhecer melodias simples, a música está relacionada com outras habilidades físicas como movimentar, dançar e bater palmas simultaneamente. Gostam de atividades vocais, particularmente cantar. Cantam suas músicas favoritas, rimas e jingles em seu próprio ritmo. Interessam-se por diferentes sons de instrumentos musicais e são capazes de perceber alterações de volume.

A visão binocular, assim como a coordenação viso-motora estão em desenvolvimento. Normalmente são incapazes de distinguir detalhes de objetos ao alcance das mãos. Aprendem a pedalar e são capazes de dirigir veículos de brinquedo, usando seus próprios pés para frear. Estão mais interessadas em espaços fechados (cabana, toca, etc.) e em brincadeiras de faz de conta. Gostam também de ambientes como praias, parques e zoológicos.

Crianças com idade entre três anos e quatro anos, normalmente, possuem os seguintes desenvolvimento e comportamento. Possuem coordenação mais desenvolvida e atividades motoras intensas. Elas estão mais capacitadas a desenvolver trabalhos manuais do que as crianças mais novas. Têm dificuldades em segurar cartas e são capazes de comer sozinhas com colher ou garfo. Lidam com bolas e objetos mais pesados e podem arremessá-los e capturá-los com as duas mãos.

Conseguem lavar as mãos, escovar os dentes e vestir-se, e começam a cuidar de si mesmas. Andam, correm, pulam e pedalam. Cantam, dançam e brincam com instrumentos musicais. Fazem brincadeiras com palavras e rimas engraçadas e sem sentido. Cantam canções simples no seu próprio ritmo.

Lembram e repetem letras de músicas. Adoram ouvir músicas, histórias e assistir a vídeos e filmes repetidamente. Gostam de histórias de eventos familiares e inventam suas próprias histórias. Lembram, contam e repetem eventos passados e, quando não são entendidas, repetem exatamente como disseram. A função informativa é a mais presente. Adotam personagens favoritos e repetem suas falas.

Andam de triciclos e bicicletas com rodinhas de apoio e são capazes de patinar com movimentos limitados. São capazes de dirigir veículos movidos a bateria com velocidades mais altas. Possuem momentos de atenção mais longos e gostam de brinquedos e jogos simples (letras e números), que permitam brincar de acordo com a sua criatividade. Ainda não têm capacidade cognitiva para seguir instruções de uso e montagem de brinquedos.

Têm maior interesse em atividades livres do que em esportes com regras. Têm habilidades de linguagem, incluindo um vocabulário limitado, mas crescente, e uma compreensão de regras básicas de gramática. Podem arriscar enunciados mais elaborados. Eles querem responder perguntas, expressar comentários e perguntar “por quê?”. Entendem os números e podem nomear a maioria dos objetos familiares, imagens, formas, cores e alguns números. Estão cada vez mais interessadas em brincadeiras de faz de conta; aprendem por meio da imitação de experiências da vida real.

Crianças com idade entre quatro anos e seis anos, normalmente, têm os seguintes desenvolvimento e comportamento. São capazes de coordenar movimentos grandes e pequenos, possuem destreza, força moderadas e boa coordenação motora, com rapidez e agilidade. A maioria das crianças a partir de cinco anos tem equilíbrio e coordenação para usar patinetes e bicicletas sem rodinhas de apoio e são capazes de usar freios acionados pelos pés. Começam a usar skates e patinetes. Podem brincar com jogos que envolvem equilibrar objetos.

Brincam de “faz de conta” por períodos mais longos, imitam as atividades dos adultos e possuem imaginação muito fértil. Gostam de materiais realistas para criações e preferem histórias verdadeiras. Possuem relações sociais intensas e bom nível de dramatização. Lançam objetos com força, utilizando os braços, acertam com bastão e raquete. Chutam bolas em movimento e as batem contra o chão.

Possuem moderada habilidade de resolução de problemas e algum entendimento de regras. Possuem maior interesse em jogos, melhorando a interação com outros jogadores. Possuem atenção necessária para completar quebra-cabeças em minutos. Brincam sistematicamente e planejam suas estratégias.

Aos quatro anos de idade possuem limite máximo de concentração de 20 min e aos cinco anos de idade, de 40 min. Têm um aumento no controle vocal e são mais capazes de cantar no compasso junto com outras pessoas. Gostam de batidas de músicas e são capazes de acompanhá-las enquanto andam ou marcham. Dançam enquanto se vestem, inventam músicas e encenam uma história por meio da dança. Possuem interesse em aulas de música e copiam símbolos musicais simples.

Aos cinco anos, brincam com instrumentos musicais junto com músicas simples. Reconhecem melodias e as reproduzem. Recitam palavras ritmicamente, mas ainda têm dificuldade para manter a afinação. Expressam ideias musicais de diferentes maneiras. Gostam de melodias temáticas, podem brincar com jogos simples de cantarolar, recitar e cantar rimas e jingles. Em sua totalidade, gostam de responder às perguntas em programas de TV. Desenham uma figura humana com até sete partes do corpo aos quatro anos e aproximadamente nove partes aos cinco anos. São capazes de copiar formas geométricas, números e letras que já têm um valor como escrita.

Crianças com idade entre seis anos e oito anos, normalmente, possuem os seguintes desenvolvimento e comportamento. Possuem destreza, força e coordenação motora grossa moderada a alta. Possuem grande vigor, energia e brincam até a exaustão. Possuem surtos de mudança de comportamento e humor, devido à insegurança causada pelo desenvolvimento da independência (para comer, vestir e necessidades fisiológicas) e do alto grau de exigência em relação a isso. São exigentes também em relação à vestimenta.

Desenvolvem pensamentos abstratos, fazem melhor distinção da realidade e da fantasia. Entendem o significado de símbolos e figuras. Embora tenham total domínio do faz de conta mais estruturado e com objetivo, há um crescente interesse em eventos da realidade que os cercam. Têm habilidade moderada na resolução de problemas. Possuem o desenvolvimento do raciocínio e estão prontas para brinquedos e brincadeiras mais complexos, com habilidades específicas. Podem utilizar mapas para navegação durante um jogo e concentrar-se por mais tempo em atividades de seus interesses.

Estão em curso da apropriação da leitura e da escrita, com vocabulário mais amplo. Surgem mais competências leitoras e cálculos matemáticos. Têm capacidade cognitiva para seguir instruções de uso e montagem de brinquedos e estratégias de jogo, mas apresentam uma certa dificuldade em ler e compreendê-los. Possuem plena consciência da existência de outro(s) jogador(es). São interessadas em jogos que envolvem esportes, fantasia e aventura e gostam de colecionar objetos.

Capturam e batem em bolas pequenas. Batem bolas contra o chão com mais agilidade. São capazes de usar equipamentos de ginástica, como anéis e trampolins. Aos oito anos, são capazes de montar kits sozinhas (modelos técnicos), mas não possuem o entendimento cognitivo para compreender o funcionamento de projéteis de alta velocidade. Retomam atividades inacabadas e gostam de kits realistas baseados em temas e filmes, com detalhes complexos. São capazes de montar quebra-cabeças sistematicamente e planejar a sua conclusão. Apresentam habilidade moderada em montagem e desmontagem de peças e praticamente não apresentam dificuldade em manipular peças pequenas.

Crianças com idade entre oito anos e 14 anos, normalmente, têm os seguintes desenvolvimento e comportamento. Executam atividades estruturadas e direcionadas em jogos de RPG (role-playing game). São capazes de dar corda com pequenas chaves de alto torque, realizam mudanças de engrenagens. Os meninos e as meninas são diferentes em personalidade, características e interesses. As meninas se desenvolvem mais rápido que os meninos.

Aos nove anos, são realistas, responsáveis, autoconscientes, competitivas e interessam-se por biografias, histórias de época e outras culturas. Têm alto grau de destreza, força e habilidades motoras grossas e finas. Possuem boa coordenação viso-motora e respostas motoras rápidas. Têm interesse maior em colecionar objetos e gostam de jogos sociais com diversos jogadores.

São capazes de conduzir experimentos científicos e conseguem usar áreas de conhecimento acadêmico em jogos. Estão interessadas em recursos ocultos de jogos, brincam ao longo de vários dias e gostam de jogos sofisticados de longa duração. Aos dez anos, passam a vivenciar o que estudam, leem e colecionam. Gostam de aprender e memorizar fatos. Aos 11 anos, os tópicos de interesse são definidos. São boas em lembrar melodias. Leem músicas e partituras muito bem, continuam gostando da improvisação musical, são capazes de manter a harmonia musical e podem cantar em grupos e corais.

Deve-se observar que os avanços na tecnologia (computadores, tablets, telefones inteligentes) têm tido um impacto significativo na concepção e conteúdo de brinquedos, bem como seus padrões de jogo. No desenvolvimento destas diretrizes para a determinação do início da faixa etária, o tratamento de brinquedos eletrônicos e da eletrônica em brinquedos foi considerado. Em geral, acredita-se que os brinquedos eletrônicos são muito semelhantes a outros materiais usados para fazer os brinquedos atraentes para as crianças e a eletrônica não ser considerada um meio para a concepção de brinquedos necessários na identificação específica para a classificação etária.

Eletrônicos têm sido utilizados, por exemplo, em brinquedos infantis para gerar luzes e música, mas isso fornece os mesmos padrões de jogo e estímulos que anteriormente eram prestados por tintas coloridas brilhantes ou máquinas mecânicas de música. Da mesma forma, eletrônicos são usados para fornecer prazer de jogar e de aprender da mesma forma como brinquedos físicos, como quebra-cabeças, jogos de cartas, etc., e convém que sejam tratados na mesma categoria que os modelos tradicionais, para adequação da faixa etária.

hayrton3

Hayrton Rodrigues do Prado Filho

hayrton@hayrtonprado.jor.br



Categorias:Editorial, Normalização, Qualidade

Tags:, , , , , , ,

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: