Publicado em 01 Dec 2020

O protagonismo do I do BIM no setor de saneamento

Redação

O building information modeling (BIM) é o protagonista do futuro do setor de saneamento e o ponto de partida para criação de cidades inteligentes. Esta visão vem sendo consolidada nos últimos anos e formalizada na publicação da série ISO 19650, lançada no final de 2018. Esta norma conceitua o processo BIM dando ênfase à gestão da informação e ao seu fluxo por intermédio de ferramentas como a internet das coisas (IoT), a inteligência artificial, o digital twin e o big data, que permitiram um salto nas ambições do BIM.

Marcus Granadeiro – 

O BIM dentro do contexto do saneamento é muito mais amplo do que aplicá-lo em partes do processo, como nas estações elevatórias e de tratamento. Ele deve ser visto como um sistema, integrando seus elementos, e quando conectado a outras estruturas da cidade, podemos incluí-lo dentro do conceito de cidade inteligente.

Esta visão vem sendo consolidada nos últimos anos e formalizada na publicação da série ISO 19650, lançada no final de 2018. Esta norma conceitua o processo BIM dando ênfase à gestão da informação e ao seu fluxo, tanto dentro do ciclo dos empreendimentos, quanto na visão sistêmica. Nesta linha, os smart buildings formam os smart cities.

Esta mudança não aconteceu de forma abrupta. Novas tecnologias e conceitos foram aparecendo e transformando essa mudança trazida por frentes inovadoras que emergiram, como a internet das coisas (IoT), a inteligência artificial, o digital twin e o big data, que permitiram esse salto nas ambições do BIM.

Embora audaciosa, a ideia é simples: o benefício do BIM será maior à medida em que houver um volume amplo de fluxo das informações. Os dados das ...

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica