Publicado em 18 May 2021

O ensaio da pressão de estouro nos preservativos masculinos

Redação

O preservativo deve atuar como uma barreira entre as partes íntimas de um homem e uma mulher durante o coito e o objetivo do instrumento é evitar que qualquer tipo de descarga de um parceiro toque ou penetre no corpo do outro. Eles são usados para prevenir a gravidez e a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis. Os preservativos masculinos são feitos de látex ou de outros materiais, como poliuretano e poli-isopreno. Os preservativos de látex são finos e fortes, portanto, são os mais preferidos, sendo uma mistura de materiais sintéticos e látex de borracha. A mistura é forte o suficiente para suportar o atrito sem estourar e fina o suficiente para não causar obstruções. A composição e o processo de fabricação dessa mistura são claramente definidos e quando é preparada de acordo com isso, o produto final é extremamente durável. Mas, às vezes certos defeitos podem abrir caminho no processo de fabricação e o resultado de uma produção defeituosa provavelmente é um produto defeituoso. Em uma indústria como essa, produtos defeituosos podem ter sérias repercussões nas empresas manufatureiras e por isso a necessidade de testes que podem garantir que os produtos estejam em conformidade com as normas técnicas e sejam duráveis. Deve-se conhecer as orientações para os procedimentos de preparação de amostras para determinar o volume e a pressão de estouro e para submeter os preservativos masculinos a ensaios quanto à ausência de furos.

Da Redação – 

Os fabricantes necessitam testar os preservativos em vários parâmetros que determinam a sua qualidade e, portanto, sua utilidade. No teste da bainha do preservativo e mecanismo de retenção, cada preservativo possui uma bainha e um mecanismo de retenção que é fundamental para a função do instrumento. O mecanismo deve ser especificado e avaliado de acordo com a norma, para garantir que não haja falhas que possam prejudicar a eficiência do produto.

O preservativo é inspecionado quanto a defeitos visíveis, conforme descrito nas NBR ISO 4074 e NBR ISO 23409, incluindo bainhas partidas, ausentes ou severamente distorcidas, e quaisquer orifícios visíveis dentro de 25 mm da bainha (incluindo quaisquer orifícios entre a bainha e o corpo do preservativo). Se necessário, para remover quaisquer vincos temporários, ar é cuidadosamente soprado para a extremidade aberta do preservativo, a cerca de 50 mm da boca (ou seja, sem que os lábios toquem o preservativo).

A extremidade fechada é então cuidadosamente apertada entre os dedos para vedar o ar dentro do preservativo. Convém que o preservativo não seja esticado. Ve...

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica