Publicado em 26 Jul 2022

Os estudos e o projeto geométrico das vias permanentes

Redação

As ferrovias podem ser a solução para diversos problemas logísticos, sendo eles relacionados tanto ao escoamento de produtos quanto ao transporte de pessoas. Para que os seus objetivos sejam atingidos, o processo de construção das linhas férreas deve ser muito bem planejado. Além da localização geográfica e dos diversos procedimentos legais, a via permanente ferroviária deve seguir uma série de protocolos para que o transporte por ela seja seguro e eficiente. Os trens são veículos capazes de transportar grandes volumes de carga em poucas viagens, em comparação aos veículos utilizados no transporte rodoviário. No entanto, o deslocamento das locomotivas não pode ser feito simplesmente através do solo asfaltado, elas necessitam de toda uma estrutura específica. Portanto, a via permanente ferroviária é justamente o conjunto de técnicas que transformam o solo em um local que permite a locomoção dos trens. Ela envolve o posicionamento das peças superficiais da ferrovia, como os trilhos e os dormentes, mas também está relacionada a qualquer atividade que possibilite a construção da mesma, como a terraplenagem, por exemplo. Além da construção em si das ferrovias, é indispensável estudar bem os locais das rotas e suas ramificações. O transporte de produtos raramente é realizado por apenas um tipo de modal, por isso, é muito importante considerar os pontos de encontro onde as cargas serão transferidas para veículos de transporte rodoviário e marítimo, por exemplo. Dessa forma, construir e manter uma via permanente ferroviária segura só é possível através do estudo e trabalho de profissionais. Os engenheiros serão responsáveis por determinar se determinado solo é capaz de suportar uma ferrovia e, consequentemente, o peso dos trens carregados. Mesmo depois de decidir o caminho pelo qual a linha férrea passará, ainda será necessário traçar todas as curvas e rampas que irão ligar o pátio de carregamento até o destino final. Além disso, o profissional deverá indicar quais os tipos de trilhos ideais para o objetivo de cada rota. Outro aspecto da geometria das ferrovias é a bitola que é a medida entre as faces internas dos dois trilhos. Essa distância varia muito em cada caso, porém, no Brasil, as mais comuns são as bitolas métricas, com 1 m de largura e as largas, com 1,60 m. Além dessas, a bitola standard, de 1,435 m, é utilizada em linhas menos extensas, como as de metrôs. Existem requisitos mínimos para os estudos e a elaboração de projeto geométrico das vias permanentes.

Da Redação – 

A via permanente tem a função de receber e distribuir as solicitações das cargas verticais e horizontais originadas pela movimentação do material rodante. A atuação simultânea desta movimentação e da ação do meio ambiente contribui para acelerar a degradação dos componentes que a constitui.

Para garantir a segurança dos funcionários e assegurar a comodidade da circulação do material rodante, a via permanente deve ser avaliada constantemente, a fim de se adotar medidas de manutenção quando o seu desgaste atinge os limites de tolerância exigidos. Ela abrange muitos pontos importantes para a estabilidade e segurança do funcionamento da estrada de ferro, como, por exemplo garantir o alinhamento e o nivelamento como o planejado para a passagem dos trens; manter o afastamento dos trilhos de maneira exata; amortecer as vibrações vindas dos trens; receber e distribuir impactos diretos das cargas até a camada do subleito, sem que ocorra deformações permanentes; garantir a estabilidade e a segurança dos veículos ferroviários; proporcionar suavidade na circulação independente das condições climáticas; e garantir o esc...

Artigo atualizado em 26/07/2022 05:39.

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica