Os requisitos da telha ondulada de fibrocimento

Conheça os requisitos para o recebimento de telhas de fibrocimento de seção transversal ondulada e seus complementos e sua classificação.

topo_fibrocimento

Da Redação –

Importantíssima no processo de construção civil, a telha  serve de cobertura para vários tipos de edificações. São peças que, geralmente, se encaixam umas nas outras para formar um telhado, impedindo infiltrações e demais problemas. Os primeiros modelos foram fabricados simplesmente com argila, que depois evoluiu para a cerâmica e agora possui uma vasta gama de materiais, como metal, plástico, cimento, vidro, entre muitos outros.

Sua origem não tem precisão: alguns historiadores atribuem ao Chipre, porém com a ressalva de que os assírios, antigo império no Oriente Médio, já conheciam a telha. O que se sabe é que o uso de um material para servir como “teto” é de longa data. Tratando-se de uma peça chave em uma construção, os devidos cuidados com a qualidade, assim como cada tipo de telha tem seu caso específico de utilização, devem ser tomados.

Em todas as partes da NBR 7581-1 – Telha ondulada de fibrocimento – Parte 1: Classificação e requisitos são estabelecidos os requisitos para o recebimento de telhas de fibrocimento de seção transversal ondulada e seus complementos, classifica as telhas onduladas de fibrocimento em função de suas características e propriedades e prescreve os métodos de ensaios para controle de fabricação e recebimento do produto. São aplicáveis a telhas onduladas de fibrocimento que contêm fibras de origem mineral (crisotila) em sua composição, destinadas ao emprego em coberturas e fechamentos laterais.

A NBR 7581, sob o título geral “Telha ondulada de fibrocimento”, tem previsão de conter as seguintes partes: Parte 1: Classificação e requisitos; Parte 2: Ensaios; e Parte 3: Padronização. As telhas onduladas de fibrocimento, objeto desta norma, são constituídas de uma mistura homogênea, em presença de água, de cimento Portland, agregados, adições ou aditivos e fibras de origem mineral (crisotila).

As telhas podem ser fornecidas na cor natural, com ou sem revestimento incolor, ou coloridas por adição de pigmentos na mistura ou por aplicação de pintura. As telhas devem apresentar as superfícies das faces regulares e uniformes. 5.2.3 A superfície que fica exposta às intempéries deve ser a lisa, salvo indicação em contrário do fabricante.

As telhas podem apresentar variações de cor ocasionadas por diversos tipos de matéria-prima empregados. As telhas devem ter forma regular e ser isentas de imperfeições que impeçam sua correta superposição nas montagens do telhado. As telhas não podem apresentar quebras ou remendos. As telhas podem ter canto(s) pré-cortado(s) ou furos para facilitar a montagem e fixação.

A telha estrutural submetida ao ensaio de flexão previsto na NBR 7581-2 – Telha ondulada de fibrocimento – Parte 2: Ensaios deve suportar carga não inferior a 2 kN, para peças de largura útil inferior a 0,70 m, ou não inferior a 2,5 kN, para peças de largura útil igual ou superior a 0,70 m, quando colocada isoladamente sobre dois apoios, conforme NBR 7581-2. As dimensões nominais das telhas previstas nesta norma devem ser definidas pelo fabricante.

Para o ensaio de permeabilidade, a amostra deve ser composta por três telhas inteiras prontas ou cortadas de modo que os apoios fiquem posicionados externamente à área do ensaio. Deve ser mantida por no mínimo 24 h em local coberto, antes da realização do ensaio, a fim de eliminar qualquer excesso de umidade presente na telha.

Os ensaios de envelhecimento acelerado são caracterizados como ensaios de tipo, que devem ser utilizados para a aprovação de um novo produto ou onde uma mudança fundamental na formulação ou no método de fabricação criam efeitos que não podem ser previstos com base na experiência anterior. Recomenda-se a realização desses ensaios a cada cinco anos.

No Anexo B estão estabelecidas as regras para o agrupamento de lotes, amostragem e inspeção de produtos a que se refere a NBR 15210-1, fundamentados nas NBR 5429, NBR 5426 e ISO 390, quando da sua publicação eram considerados válidos. Todos os padrões estão sujeitos à revisão e as partes interessadas são estimuladas a examinar a possibilidade de aplicação de edições mais recentes desses documentos.

Estas recomendações são aplicáveis aos ensaios de aceitação, porém, em alguns casos, podem ser aplicáveis aos ensaios de tipo. O tamanho do lote de produção para avaliação, para testes iniciais ou para novos testes, é escolhido pelo fabricante e equivale a até uma semana de produção, no máximo.

Os itens são escolhidos aleatoriamente durante a produção ou, no caso de inspeção de remessa, do lote de produto definido. A amostragem e a interpretação dos resultados devem ser fundamentadas no método de inspeção por atributos ou variáveis. A escolha do método fica a critério do fabricante.

Os resultados obtidos nas medições de espessura, largura, comprimento, esquadro, passo e altura da onda, de acordo com a NBR 7581-2, devem cumprir as tolerâncias especificadas na Tabela 3 (disponível na norma). As tolerâncias estabelecidas na Tabela 3 se aplicam às dimensões nominais fornecidas pelo fabricante. O fabricante deve estabelecer as dimensões nominais e tolerâncias das alturas da borda de forma a garantir a estanqueidade do telhado. Este requisito se aplica às telhas que têm de um lado borda ascendente e do outro, borda descendente.

As características físicas das telhas devem ser determinadas sobre os produtos prontos, como entregues pelo fabricante, e estão estabelecidas em 6.3.2 e 6.3.3. Outras características físicas, não incluídas nesta norma, podem ser objeto de ensaio do material em função do tipo de aplicação pretendida para a telha, em comum acordo entre o produtor e o consumidor.

O ensaio de impermeabilidade deve ser realizado de acordo com o estabelecido na NBR 7581-2. As telhas submetidas ao ensaio não podem apresentar vazamentos ou formação de gotas na face oposta à da ação da água, sendo porém tolerado o aparecimento de manchas de umidade.

O ensaio de absorção de água deve ser realizado de acordo com o estabelecido na NBR 7581-2. As telhas submetidas ao ensaio devem apresentar teor de absorção de água igual ou inferior a 37%.

A ação do granizo e outras cargas acidentais em telhados visa verificar o desempenho da telha sob ação de granizo e outras pequenas cargas acidentais. Sob a ação de impactos de corpo duro, o telhado não pode sofrer ruptura ou traspassamento em face da aplicação de impacto com energia igual a 1,0 J, quando ensaiado de acordo com a NBR 7581-2. É tolerada a ocorrência de falhas superficiais, como fissuras, lascamentos e outros danos, que não impliquem perda de estanqueidade do telhado.

Para desempenho superior a 1,0 J, recomenda-se ao fabricante informar em seu catálogo técnico o nível de resistência sob ação do granizo. O ensaio de calor chuva deve ser realizado de acordo com o estabelecido na NBR 7581-2. Após o ensaio de calor chuva não são admitidas fissuras e de laminações que provoquem vazamentos.



Categorias:Normalização

Tags:, ,

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: