Os requisitos para as aduelas (galerias celulares) pré-moldadas

As aduelas de concreto são peças retangulares ou quadradas, abertas ou fechadas, com encaixe macho e fêmea, que são utilizadas nos sistemas de drenagem, em galerias de águas pluviais, em vias urbanas, rodovias, aeroportos, canalizações de córregos a céu aberto ou fechado, etc. São usadas em galerias celulares e na construção de pontes e passagens, uma vez que, a possibilidade de multiplicação deste sistema proporciona rapidez, segurança e economia.

aduela1Da Redação –

Nas aduelas de concreto a absorção de água é um requisito importante para garantir a durabilidade das peças e, consequentemente, a durabilidade da rede como um todo. São produzidas em diversas seções de vazão e para variadas necessidades de resistência, sendo fabricadas e detalhadas para cada caso específico, atendendo às necessidades técnicas do projeto e sempre desenvolvidas em conformidade com a norma técnica.

Ela podem formar um sistema de drenagem pluvial para vias urbanas, canalizações abertas ou fechadas de esgoto, infraestrutura de rodoviárias e aeroportos. As peças pré-fabricadas ainda podem ser usadas na construção de reservatórios enterrados para combate de enchentes como reservatórios de acumulação. Já as galerias técnicas destinam-se ao compartilhamento do subsolo por serviços de telecomunicações, transmissão de energia elétrica, água, gás e fibra ótica.

São peças pré-moldadas em concreto armado, com encaixe de macho e fêmea com seções retangulares ou quadradas utilizadas em galerias ou canais fechados para escoamento de água ou esgoto, como também em galerias em pontes e passagens, já que a possibilidade de multiplicação do sistema proporciona rapidez, segurança e economia. Disponíveis com diversas seções de vazão e para variadas necessidades de resistência, além de servirem de tubulação, são ao mesmo tempo a estrutura do sistema, também chamadas de galerias celulares, quadradas ou retangulares e em seção fechada ou aberta – neste caso, um canal em “U”. Como têm aplicações similares, o que tem determinado a utilização de uma ou outra peça é a dimensão da obra.

Além da disponibilidade de diâmetros necessários, outros critérios de avaliação para escolha do tipo de tubulação de concreto armado são as condições de escoamento, resistência a cargas internas e externas, resistência à abrasão e à ação de substâncias agressivas e condições de impermeabilidade e juntas adequadas. As aduelas assim como os tubos pré-moldados de concreto devem ser resistentes ao ataque químico de esgotos, ou seja, à corrosão por ácido sulfúrico, que ataca o cimento e diminui a resistência da tubulação até o rompimento da canalização.

Uma aduela de concreto pré-fabricado tem uma expectativa de vida útil de 100 anos, por isso os engenheiros chamam a atenção para a execução da obra, crucial para o bom funcionamento das galerias. Assim como na condução de esgoto é preciso utilizar um cimento especial, a agressividade do meio precisa ser levada em conta na fabricação de uma galeria. Isso vai influenciar não apenas a elaboração do concreto, como o comprimento das armaduras, espessura de paredes, etc.

No caso de uma canalização junto ao mar, por exemplo, as peças têm outros requisitos técnicos. Quanto maior o comprimento da armadura, compostas por barras de aço ou telas soldadas, conforme a NBR 7480 ou NBR 7481, por exemplo, maior será a durabilidade da peça. Se o comprimento da armadura é pequeno, a possibilidade de ela sofrer com os aspectos do meio – como maresias e sal – são maiores.

A NBR 15396 de 12/2018 – Aduelas (galerias celulares) de concreto armado pré-moldadas – Requisitos e métodos de ensaios, republicada com a incorporação de emendas, especifica os requisitos mínimos para fabricação, controle da qualidade e recebimento das aduelas (galerias celulares) pré-moldadas e pré-fabricadas em concreto armado para execução de obras lineares destinadas à canalização aberta ou fechada de córregos, drenagens pluviais, esgoto sanitário, construção de reservatórios enterrados para diversas finalidades, inclusive para retenção ou retardo pluvial, poços de visita e/ou inspeção, galerias técnicas e demais utilizações.

Esta norma também estabelece as características dos materiais, parâmetros de dosagem do concreto, características de acabamento, métodos de cura, dimensões e tolerâncias e critérios para a inspeção, ensaios e aceitação das aduelas. Para os seus efeitos, aplicam-se os mesmos requisitos às peças pré-moldadas e às peças pré-fabricadas de concreto, sendo ambas referenciadas por esta norma apenas como peças pré-moldadas.

As aduelas ou galerias celulares são estruturas pré-moldadas em concreto armado, de seção retangular, fechada ou aberta, com ou sem mísulas internas, com sistema de encaixe tipo macho-fêmea, conforme especificações, requisitos e métodos de ensaio previstos nesta norma. As figuras abaixo ilustram os tipos de aduelas cobertos por esta norma. As dimensões internas das aduelas são descritas como largura interna (l), seguida da altura interna (a). Uma aduela de 3,00 m x 2,00 m, sendo 3,00 m a largura interna (l) e 2,00 m a altura interna (a). Uma aduela de 2,00 m x 3,00 m, sendo 2,00 m a largura interna (l) e 3,00 m a altura interna (a).

aduela2

As soluções estruturais adotadas devem ser definidas por engenheiro devidamente habilitado, que será o responsável técnico pelo projeto, com apresentação de memória de cálculo do dimensionamento estrutural e respectivo desenho de fôrma e armação. As aduelas devem atender aos requisitos de qualidade estabelecidos pelas normas brasileiras pertinentes, relativos à capacidade resistente, ao desempenho em serviços e à durabilidade da estrutura, conforme especificado na NBR 6118 de 04/2014 – Projeto de estruturas de concreto — Procedimento que estabelece os requisitos básicos exigíveis para o projeto de estruturas de concreto simples, armado e protendido, excluídas aquelas em que se empregam concreto leve, pesado ou outros especiais.

Quando as aduelas forem utilizadas para transporte de esgoto sanitário ou efluente industrial, o projetista deve apresentar proposta técnica que garanta a estanqueidade do sistema de encaixe e atender aos requisitos específicos desta norma. As aduelas são enquadradas na categoria de condutos rígidos, ou seja, devem suportar as cargas por sua própria resistência, com possibilidade ou não de sobrecargas acidentais móveis.

Esta norma fixa as dimensões padronizadas e requisitos para o recebimento das aduelas de concreto armado. Podem ser produzidas aduelas de características especiais, específicas para aplicação em um determinado empreendimento, desde que o projeto seja elaborado por profissional habilitado e a memória de cálculo seja disponibilizada para verificação do comprador ou seu preposto.

Igualmente às aduelas padronizadas nesta norma, as aduelas de características especiais estão sujeitas à inspeção, conforme a Seção 7. Os requisitos relacionados à capacidade resistente e ao desempenho em serviço são estabelecidos pelos critérios adotados no dimensionamento estrutural das peças. Os requisitos relacionados à durabilidade, que indicam a capacidade da estrutura de resistir às influências ambientais, devem ser definidos em comum acordo entre o cliente e o autor do projeto estrutural.

Em qualquer situação de utilização das aduelas, devem ser seguidos os parâmetros relacionados à relação água/cimento em massa, à classe do concreto, ao consumo de cimento Portland por metro cúbico de concreto e ao cobrimento nominal das armaduras, conforme a classe de agressividade ambiental interna e externa à galeria, estabelecida pelas NBR 6118 e NBR 12655 de 01/2015 – Concreto de cimento Portland – Preparo, controle, recebimento e aceitação – Procedimento que é aplicável a concreto de cimento Portland para estruturas moldadas na obra, estruturas pré-moldadas e componentes estruturais pré-fabricados para edificações e estruturas de engenharia. O concreto pode ser misturado na obra, pré-misturado ou produzido em usina de pré-moldados. Esta norma estabelece os requisitos para: propriedades do concreto fresco e endurecido e suas verificações; composição, preparo e controle do concreto; aceitação e recebimento do concreto.

As aduelas devem apresentar suas dimensões e tolerâncias especificadas e ser dimensionadas estruturalmente com base nas NBR 6118 e NBR 9062 de 03/2017 – Projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado que estabelece os requisitos para o projeto, a execução e o controle de estruturas de concreto pré-moldado, armado ou protendido. Recomenda-se que as aduelas tenham dimensões internas “l” e “a” (Ver figuras acima), com variações de 0,50 m em 0,50 m, conforme a tabela abaixo.

Para verificação das dimensões internas (“l” e “a”), a tolerância considerada é de ±1,5% do valor declarado em projeto, em qualquer ponto da seção transversal. As variações das dimensões internas de 0,50 m em 0,50 m são justificadas pela utilização de fôrmas metálicas moduladas padronizadas, facilitando sua montagem e trazendo economias financeiras nos custos de fabricação. A espessura mínima das paredes das aduelas deve ser de 15 cm, com tolerância de 10 mm para mais e 5 mm para menos. Na existência de mísulas internas, suas dimensões mínimas devem ser de 15 cm x 15 cm.

aduela3

O comprimento útil mínimo das aduelas deve ser de 1,00 m, e a tolerância máxima deve ser de 2% do valor declarado, para mais ou para menos. O comprimento do encaixe deve atender à seguinte especificação: t1 maior ou igual a t2; t2 maior ou igual a 7,0 cm. A folga f permitida no encaixe de duas aduelas deve ser de no máximo 30 mm.

Na preparação do concreto a ser utilizado na fabricação das aduelas, deve ser considerada a classe de agressividade de exposição das peças, conforme classificação estipulada pela NBR 6118, e deve ser atendido o prescrito nessa norma. O concreto utilizado na fabricação das aduelas, quando no estado fresco, deve apresentar características compatíveis com o processo de fabricação, que deve ser conduzido sob o controle tecnológico estabelecido na NBR 12655, ressalvadas as condições de formação de lotes, conforme 7.2.

O concreto endurecido deve atender aos requisitos de durabilidade previstos na NBR 12655. Deve ser feita por método compatível com a tecnologia usual reconhecida no país, de acordo com a NBR 12655, atendendo às correspondências entre a classe de agressividade ambiental e a qualidade do concreto, especificadas pela NBR 6118.

O responsável pelo preparo do concreto deve disponibilizar os relatórios de produção, indicando a proporção dos materiais utilizados na dosagem do concreto. Na produção das aduelas deve ser usado concreto com classe de resistência característica à compressão mínima C25 (fck maior ou igual a 25 MPa). Na data de manuseio é requerido fck maior ou igual a 20 MPa.

A resistência característica do concreto à compressão (fck) definida pelo projeto deve ser consequência de análises de dimensionamento estrutural, respeitados os requisitos específicos desta norma e desde que atendidas as condições impostas pela agressividade ambiental do meio, conforme especificações das NBR 6118 e NBR 12655. Na produção das aduelas pode ser utilizado qualquer tipo de cimento Portland, de acordo com as NBR 5732, NBR 5733, NBR 5735, NBR 5736, NBR 5737, NBR 11578 e NBR 12989, exceto no caso de comprovada agressividade do meio interno ou externo ao concreto, quando deve ser feita uma avaliação conforme as NBR 6118 e NBR 12655, para definição dos parâmetros de preparação do concreto e seleção do cimento.

Para a situação de utilização das aduelas na captação e condução de esgoto sanitário, efluentes industriais ou solos contaminados com sulfatos, é obrigatório o uso de cimentos resistentes a sulfatos, conforme a NBR 5737. Deve ser rejeitado, independentemente de ensaios de laboratório, todo e qualquer cimento que indicar sinais de hidratação, ou que esteja acondicionado em sacos que se apresentem manchados, úmidos ou avariados.

As adições a serem utilizadas no concreto devem atender ao que estabelecem as NBR 13956-1, NBR 15894-1 e NBR 12653, caso sejam selecionados para uso a sílica ativa, o metacaulim ou outros materiais pozolânicos respectivamente. Qualquer que seja a adição selecionada, esta não pode conter elementos nocivos que influenciem negativamente na resistência, endurecimento, estanqueidade e durabilidade do concreto, ou que provoquem corrosão da armadura.

As adições devem ser identificadas e armazenadas separadamente em local abrigado das intempéries, umidade e calor, respeitando-se seu prazo de validade. Para serem utilizadas, devem ser declaradas pelo fabricante quanto ao seu teor e natureza, com prévia aprovação do comprador.

Os aditivos utilizados no concreto devem atender ao disposto na NBR 11768, e o teor de íon cloro no concreto não pode ser maior que 0,15%, determinado conforme a NBR 10908. Os aditivos devem ser armazenados em local abrigado das intempéries, umidade e calor, respeitando-se seu prazo de validade. Podem ser utilizados aditivos para diversas finalidades, desde que respeitadas as normas correspondentes.

Os agregados devem atender aos requisitos da NBR 7211, sendo sua dimensão máxima característica limitada ao menor valor entre o cobrimento mínimo da armadura e o menor espaçamento entre as barras ou fios. Os agregados devem ser estocados de forma a evitar a contaminação e mistura dos materiais diferentes, observando-se o seguinte: estocar agregados na parte mais alta do terreno, para evitar contato com água da chuva; estocar agregados sobre solo firme e limpo, ou sobre uma base de concreto; manter separados a areia e os agregados graúdos de dimensões diferentes, por qualquer sistema que impeça a mistura dos materiais; os agregados devem atender aos requisitos da NBR 15577-1 com relação ao seu potencial de reatividade com álcalis do concreto. Deve-se proceder às medidas preventivas específicas para cada caso.

A água deve ser límpida, isenta de teores prejudiciais de sais, óleos, ácidos, álcalis e substâncias orgânicas, e não alterar a reologia do concreto, atendendo aos requisitos da NBR 15900-1. As armaduras (aço em barras, fios ou telas soldadas) da aduela devem ser posicionadas de forma a garantir o atendimento aos cobrimentos mínimos requeridos, conforme 6.2.

As emendas de barras podem ser feitas por transpasse ou solda, por metodologias que garantam a continuidade da capacidade estrutural do conjunto, conforme a NBR 6118. As armaduras devem atender à NBR 7480 ou NBR 7481, conforme processo de montagem da armadura. Os lotes devem ter homogeneidade quanto às suas características geométricas e devem se apresentar sem defeitos.

São rejeitados os aços que apresentarem processo de corrosão com redução de seção transversal. Ao ser armazenado, o aço deve ser protegido do contato direto com o solo, devendo ser apoiado sobre uma camada de pedra britada ou sobre vigas de madeira transversais aos feixes, por exemplo. Recomenda-se cobrir as barras e telas soldadas com plástico ou lona, protegendo-as da umidade e do ataque de agentes agressivos.

Para a moldagem das aduelas, o adensamento deve ser feito por vibradores ou método que produza efeito igual ou melhor, adequado à consistência do concreto e às características do produto final quanto à resistência mecânica, permeabilidade, absorção de água, dimensões e acabamento, garantindo-se o posicionamento geométrico de armaduras por espaçadores, de maneira a atender ao cobrimento mínimo das armaduras estabelecido em 6.2, desde que respeitadas as condições de agressividade ambiental do meio, conforme a NBR 6118.

As fôrmas devem ser estanques e se adaptar ao formato e às dimensões das peças pré-moldadas, respeitando as tolerâncias especificadas no projeto. As fôrmas podem ser fabricadas em aço, chapas metálicas ou outro material, desde que não se deformem quando submetidas aos esforços de lançamento, adensamento e desforma do concreto, e sejam inertes ao contato com este, propiciando um acabamento liso, homogêneo e sem manchas nos componentes.

O projeto e a execução das fôrmas devem propiciar uma fácil desmoldagem, sem danificar as peças concretadas, prevendo-se, para tal, ângulos de saída e livre remoção das laterais e dos cantos. No caso em que as superfícies das fôrmas sejam tratadas com produtos antiaderentes destinados a facilitar a desmoldagem, este tratamento deve ser feito antes da colocação da armadura.

Os produtos empregados não podem exercer qualquer ação química sobre o concreto fresco ou endurecido, nem podem deixar resíduos prejudiciais na superfície. As fôrmas devem ser cuidadosamente limpas antes de cada utilização. Após a moldagem, as aduelas devem ser curadas por método e tempo adequados, de modo que seja evitada a ocorrência de fissuras e garantida sua capacidade resistente.

Convém que o comprador forneça os seguintes critérios, especificações e informações para o projeto das aduelas: utilização prevista das peças; seção transversal interna; desenhos de locação em planta e perfil; altura do aterro sobre a laje superior das aduelas; grau de agressividade do meio interno e externo da peça; método executivo (base de assentamento, equipamento de compactação do aterro, etc.); carga móvel ou acidental; cargas especiais; detalhes de aberturas especiais e insertos, quando necessários; outros requisitos considerados importantes pelo comprador.

A seguir estão relacionadas às incumbências do responsável técnico quanto ao projeto das aduelas: fornecimento da memória de cálculo do dimensionamento estrutural das aduelas ao contratante; recolhimento da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART); recomendações especiais de utilização. As incumbências do fabricante das aduelas incluem: seguir o projeto especificado; fornecer ao comprador instruções para manuseio, transporte e estocagem das peças; fornecer as peças.



Categorias:Normalização

Tags:, , , , , , , ,

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: