Os ensaios em pisos elevados de placas de concreto

Os pisos elevados de placas de concreto podem ser usados em áreas externas para garantir a proteção térmica da camada de impermeabilização. Usualmente, esse revestimento é aplicado no piso térreo de edifícios, mas pode também ser instalado em sacadas e em outros pavimentos, inclusive na cobertura. Sem função estrutural, devem ser instalados sobre uma laje com estrutura adequada para suportar a carga das placas, sendo indicado para locais com tráfego de pedestres, não sendo ideal para a passagem de veículos. Contudo, deve-se conhecer os requisitos, os métodos de ensaio e as condições de recebimento do sistema de piso elevado de placas concreto.

piso2Da Redação –

Quando são usados em áreas externas, os pisos elevado de concreto têm algumas vantagens em relação ao piso tradicional (aderido com argamassa ou flutuante sobre camada de areia). Como as juntas das placas são abertas, o piso elevado possibilita que a água da chuva seja drenada rápida e eficientemente para o solo, dispensando o uso de ralos e otimizando o processo de impermeabilização. Além disso, ele facilita a manutenção e o reparo das instalações colocadas sob a superfície (no espaço vazio entre as placas e o chão).

abq_natal

Faça a sua inscrição para assistir ao seminário via internet, acesse o link: https://www.eventbrite.com.br/e/seminario-abq-qualidade-no-seculo-xxi-natal-tickets-67474218203

As placas com base cimentícia (concreto Portland e reforço estrutural, que pode ser armadura, fibras ou armadura e fibras misturadas) costumam medir 60 cm x 60 cm e ter 4 cm de espessura, mas podem ser fabricadas em qualquer tamanho ou formato. O conceito de sistemas de piso elevado é bastante antigo. Na antiga terma romana da cidade inglesa de Bath, os chamados west baths e east baths possuíam ambientes cujo aquecimento era proporcionado por insuflamento de ar aquecido sob uma camada de piso elevado. Estas placas eram suspensas por lajotas empilhadas.

O sistema de piso elevado é considerado como uma forma de revestimento da camada de impermeabilização de áreas com circulação pública ao nível do térreo, que abrigam outras áreas da edificação. Neste sistema, o apoio de placas de rocha ou de concreto pré-fabricado ou de material cerâmico ocorre por meio de suportes chamados de pedestais. O espaço sob a camada de revestimento é deixado livre e a variação de altura deste espaço, decorrente da inclinação do substrato, é acomodada pelo ajuste da altura dos pedestais.

O sistema de piso elevado externo pode ser considerado como um revestimento de superfícies externas, cujos componentes (placas e suportes) podem se movimentar sem que haja restrição imposta pelas demais camadas que compõem uma vedação horizontal externa de cobertura: isolamento térmico, proteção mecânica, impermeabilização e laje. Destaca-se que as placas de revestimento utilizadas nos pisos elevados devem ter resistência mecânica muito superior à das demais aplicações como revestimento de piso, seja aderido ou mesmo não aderido, sobre o berço de material granular.

Assim, as placas ficam integralmente apoiadas, o que diminui as exigências com relação à sua resistência à flexão e às cargas dinâmicas, reduzindo os seus custos de fabricação. A exigência de elevada resistência mecânica acaba direcionando o uso de pisos elevados aos locais de menores solicitações e com trânsito exclusivo de pessoas.

A NBR 15805 de 09/2015 – Pisos elevados de placas de concreto – Requisitos e procedimentos estabelece os requisitos, os métodos de ensaio e as condições de recebimento do sistema de piso elevado de placas concreto. Aplica-se a piso elevado de placas de concreto para uso em áreas externas às edificações. Em pisos elevados de placas de concreto para uso em áreas internas, aplica-se também requisitos específicos da NBR 11802.

O relatório resultante da avaliação do desempenho deve reunir informações que caracterizem o sistema analisado. Nos ensaios laboratoriais, o relatório de avaliação deve conter a solicitação para realização desses ensaios, com explicitação dos resultados pretendidos e a metodologia a ser seguida, de acordo com as normas referenciadas nesta norma.

A amostra tomada para ensaio deve ser acompanhada de todas as informações que a caracterizem, considerando sua participação no sistema. A partir dos resultados obtidos, deve ser elaborado um documento de avaliação do desempenho, baseado nos requisitos e critérios avaliados de acordo com esta norma.

As placas de concretos para pisos elevados externos podem ser compostas por camada única ou camada estrutural e revestimento, conforme as especificações de arquitetura ou paisagismo, e conforme a tecnologia do fabricante. A parte estrutural das placas em concreto à base de cimento Portland deve conter estruturação que impeça uma ruptura frágil e que impeça o seu traspassamento, nas condições de utilização previstas em projeto.

Para tanto, pode conter armadura passiva, podendo também ser reforçada com fibras, de acordo com o projeto de profissional responsável, desde que sejam respeitados os critérios de desempenho previstos nesta norma. O reforço de referência das placas de piso elevado é de no mínimo 1 cm²/m de aço em cada direção, com espaçamento entre os fios de no máximo 10 cm.

Neste caso, todas as bordas da placa de piso elevado devem ter reforço contínuo em seu perímetro em uma distância não superior a 3 cm da borda. Outros tipos de reforços devem ter capacidade resistente equivalente a esse reforço mínimo. Peças com recortes devem prever reforços específicos.

O relatório de ensaio deve conter as seguintes informações: referência a esta norma; descrição das placas cerâmicas ou superfície de ensaio; perfil e textura das placas; marca comercial do deslizador tipo tortus utilizado; coeficiente de atrito individual; estado da superfície de tráfego (gasta, encerada), quando o ensaio é executado sobre pisos em uso.

A durabilidade é um requisito fundamental de um sistema de piso elevado, decorrente do seu elevado valor de uso e valor de troca. O projeto, a execução e a manutenção dos sistemas de piso elevado devem seguir os requisitos das normas brasileiras e também as orientações dos fabricantes dos produtos utilizados nesse sistema.

Os sistemas de piso elevado não podem apresentar excessiva sensibilidade às condições de serviço previsíveis, alterando suas características funcionais ou estéticas além do esperado em função de seu envelhecimento natural ao longo da vida útil, exigindo maior esforço e investimento dos usuários em atividades de manutenção ou impondo restrições ao uso normal do ambiente construído.

O concreto destinado à execução das placas para pisos elevados externos deve atender à relação água/cimento máxima de 0,45. As peças devem sofrer cura úmida por no mínimo sete dias, ou um período menor, se curadas em câmara de vapor ou por sistema que promova desempenho equivalente.

O concreto utilizado para a confecção das placas deve sofrer adensamento mecânico, por meio de dispositivos de vibração ou metodologia alternativa que ofereça adensamento equivalente, quando não forem compósitos autoadensáveis. O material utilizado para pigmentação, quando for o caso, deve ser de origem inorgânica, resistente ao meio alcalino, e deve atender aos critérios de desempenho estabelecidos na ASTM C 979.

Em qualquer aplicação de piso elevado, o cobrimento mínimo da armadura deve ser de 2,0 cm para placas em concreto armado, desde que atendidos os requisitos da NBR 9062. Cobrimentos menores podem ser aceitos desde que as armaduras sejam devidamente tratadas com sistema de proteção metálica por processo de galvanização por imersão a quente, de acordo com a NBR 6323, com espessura média de galvanização de 70 μm.

Alternativamente, as armaduras podem ser revestidas por pintura tipo eletrodeposição, com desempenho equivalente ao da galvanização por imersão a quente. Nas faces em que as placas forem cortadas para ajuste de dimensões na obra, a parte exposta da armadura deve ser tratada com pintura de proteção com alto teor de zinco, com desempenho equivalente ao obtido pela galvanização original.

Com relação à utilização do sistema de pisos elevados sob enchimentos de terra em jardim, requer-se cuidado especial do projetista na especificação do tipo (dimensões, forma de estruturação e material constituinte) e resistência mecânica das placas. Nesta situação de utilização, em função da necessidade de se assegurar adequada durabilidade ao sistema e em virtude da dificuldade de se realizarem inspeções periódicas, recomenda-se que as placas deste piso sejam em rocha, por exemplo, ardósia ou em concreto estruturado com fibras não metálicas, dimensionadas por um projetista, de forma a respeitar o período de vida útil acordado com o usuário.



Categorias:Metrologia, Normalização

Tags:, , , , ,

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: