Publicado em 10 Nov 2020

O combate a incêndios por meio de espuma de baixa expansão

Redação

A espuma vem sendo usada como meio de extinção de incêndio para líquidos inflamáveis e combustíveis. Ao contrário de outros agentes extintores, como a água, pó químico seco, CO2, etc., uma espuma aquosa estável pode extinguir um incêndio líquido inflamável ou combustível pelos mecanismos combinados de resfriamento, separando a chama/fonte de ignição da superfície do produto, suprimindo vapores e sufocando as chamas. Ela também pode proteger por longos períodos de tempo contra reflash ou reignição. A água, se usada em um combustível de hidrocarboneto, é mais pesada do que a maioria desses líquidos e, se aplicada diretamente na superfície do combustível, irá afundar, tendo pouco ou nenhum efeito na extinção ou supressão de vapor. Se o combustível líquido aquecer acima de 100°C, a água pode ferver abaixo da superfície do combustível, jogando o combustível para fora da área contida e espalhando o fogo. Por este motivo, a espuma é o principal agente de extinção de incêndio para todos os riscos potenciais ou áreas onde líquidos inflamáveis são transportados e processados. Um concentrado de espuma é formulado para ser eficiente na concentração nominal e é por isso que a dosagem de espuma apropriada é crucial para o seu desempenho e a eficiente extinção de incêndio. Em seguida, essa solução de espuma é expandida com ar no equipamento de geração de espuma para produzir a espuma acabada. Essa proporção depende do tipo de concentrado de espuma ou do tipo de combustível. Quando um concentrado de espuma é descrito como 1 x 3, isso significa que a proporção de concentrado para água deve ser de 1% em um incêndio de hidrocarboneto e 3% em um incêndio de solvente. A espuma acabada é uma quantidade de bolhas que forma uma manta de espuma estável que separa o combustível do suprimento de oxigênio. Oferece a extinção de incêndios e evita a liberação de vapores inflamáveis. Importante conhecer as diretrizes para a elaboração de projetos de sistemas fixos, semifixos, móveis e portáteis de combate a incêndios por meio de espuma de baixa expansão, assim como para a instalação, inspeção, ensaio, operação e manutenção dos referidos sistemas.

Da Redação – 

A espuma de combate a incêndios é perfeitamente adequada para suprimir o fogo, pois ela é composta de uma solução de pré-mistura (uma proporção de água e concentrado de espuma) misturada com ar. Ela forma uma manta de espuma estável que se espalha acima dos combustíveis e adere às superfícies. Alguns tipos de espuma formam uma película acima da superfície do combustível e sela os vapores.

O uso de espuma de combate a incêndio evita o contato do combustível com o oxigênio, resultando na supressão do incêndio. Ela também tem um alto efeito de resfriamento e evitará a reignição. Para extinguir um incêndio, a espuma de combate a incêndios atua com efeito de separação, em que a manta de espuma suprime o suprimento de oxigênio para o material inflamável e evita a evaporação do combustível: e por um efeito de resfriamento, em que muita energia é necessária para transformar a água incluída na manta de espuma em vapor. Isso contribui para reduzir ou remover a energia necessária para a combustão. Este vapor de água resfria o fogo em altas temperaturas e evita a radiação térmica que pode aumentar o fogo.

Existem...

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica