Publicado em 21 Dec 2021

Administrando a capacitação e a qualificação dos operadores de aciaria

Redação

A estrutura das usinas siderúrgicas e seus diversos elementos estão interligados e interagem. Ela desempenha um papel decisivo no funcionamento geral e no desempenho da siderúrgica. Os elementos podem ser combinados de maneira eficaz e incorporam vantagens abrangentes para toda a planta. A estrutura das usinas siderúrgicas, uma vez formada, terá estabilidade e independência comparativas. Portanto, o que determina a competitividade de uma usina siderúrgica, como o principal corpo de competição do mercado, é seu próprio mix de produtos, estrutura de fluxograma de processo, níveis e capacidades de equipamentos, escala econômica racional e a qualidade do grupo e a estrutura organizacional de seu pessoal. Enquanto isso, a competição de mercado entre as usinas siderúrgicas facilitará consideravelmente a mudança estrutural nas indústrias siderúrgicas. Os operadores atuam no processo de fabricação do aço mais tradicionalmente utilizado, após a produção do ferro gusa no alto forno, ou do ferro esponja na redução direta, estes produtos intermediários são encaminhados para a etapa de fabricação do aço, que envolve basicamente a oxidação de grande parte do carbono, reduzido de níveis acima de 4% para inferiores a 1% na maioria dos casos, e de impurezas como fósforo, enxofre, etc. que são eliminadas na escória, enquanto o excesso de carbono é eliminado sob a forma de gás (CO e CO2). A fabricação do aço evoluiu desde vários séculos anteriores, quando era conhecida como pudlagem, do termo puddling. Nesse processo, o material constituído por minério de ferro, ganga e carvão (vegetal ou mineral) era colocado num forno rústico, dentro do qual era soprado ar em temperatura de 1.100ºC, sendo providenciada a exaustão dos gases produzidos. A escória sobrenadava no ferro metálico líquido, sendo descartada por diferença de densidade. Solidificado, o produto metálico era conhecido na época como ferro pudlado. Existe uma sistemática para a qualificação e certificação de operadores de aciarias, bem como define as atribuições, atitudes e atividades para as especialidades e nos níveis descritos.

Da Redação – 

Os operadores em uma usina siderúrgica atuam na produção dos aços especiais que se inicia na aciaria, local onde são realizados o processo de fusão (sucata e ferro-ligas) e o tratamento do aço líquido, que posteriormente é solidificado em formatos predefinidos. Nesta etapa, alguns equipamentos são utilizados, como o forno elétrico a arco, o forno panela, os tratamentos sob vácuo, o lingotamento convencional, o lingotamento contínuo e o forno elétrico a arco. O forno elétrico é responsável pelo aquecimento e, consequentemente, pela fusão da carga metálica, seguido de tratamento do metal líquido e remoção de elementos indesejáveis, como o fósforo.

No forno panela é possível controlar a temperatura do metal líquido e, mediante injeção de gás inerte, propiciar a homogeneização térmica do metal e de todas as ligas de ferro adicionadas para formular o aço desejado. Ao mesmo tempo ocorre o refino secundário, momento em que acontece a desoxidação e a dessulfuração.

O tratamento a vácuo é utilizado para modificar as condições termodinâmicas e garantir o controle das reações químicas, evitando, por exemplo, a o...

Artigo atualizado em 15/12/2021 02:45.

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica