Publicado em 21 Jun 2022

A transformação digital na saúde poderá beneficiar os pacientes

Redação

O fenômeno da transformação digital tomou as organizações de todos os setores e teve seus diferentes estágios de implementação acelerados em função da pandemia. Na área de saúde, por ser um segmento mais sensível, as regulamentações costumam dar um ritmo mais lento para as inovações. Entretanto, a chegada do 5G, o avanço da internet das coisas médicas e a implementação da interoperabilidade irão proporcionar uma verdadeira revolução de empoderamento de pacientes e diagnósticos cada vez mais precisos e preventivos, como aponta a pesquisa Unlocking the Value in Connected Health, desenvolvida pelo Capgemini Research Institute. Mas, há um problema: não se deve esquecer dos componentes educacionais essenciais recomendados para estabelecer e fornecer um programa de educação em privacidade para apoiar a proteção da informação nas organizações de assistência à saúde. Para os propósitos desta pesquisa, a definição de saúde conectada abrange um amplo espectro de produtos e serviços de saúde digital, desde produtos de bem-estar digital, como wearables de consumo, até soluções clinicamente validadas, como companheiros digitais, terapia digital (DTx) e combinação DTx, incluindo software-as-a-medical device (SaMD). Apesar das grandes ambições, apenas algumas organizações de ciências da vida têm os recursos digitais, técnicos e colaborativos necessários para realizar uma saúde conectada, abrindo as portas para grandes players de tecnologia buscarem mudanças. Espera-se que o número de ofertas de saúde conectada aprovadas cresça 40% nos próximos cinco anos, devido a seu forte potencial para aumentar o envolvimento do paciente, novas possibilidades de tratamento e diagnóstico precoce, e detecção de doenças. Para os propósitos desta pesquisa, a definição de saúde conectada abrange um amplo espectro de produtos e serviços de saúde digital, desde produtos de bem-estar digital, como wearables de consumo, até soluções clinicamente validadas, como companheiros digitais, terapia digital (DTx) e combinação DTx, incluindo software-as-a-medical device (SaMD). Ainda assim, apenas 16% das empresas de ciências da vida estão testando ou aprovaram produtos de saúde conectada no mercado. A maturidade geral em saúde conectada para a maioria das organizações está apenas emergindo.

Da Redação – 

De acordo com o relatório, as principais áreas terapêuticas para os futuros produtos de saúde conectada nos próximos cinco anos incluem doenças relacionadas à neurociência, como esclerose múltipla, Alzheimer e epilepsia, seguidas por doenças raras e imunologia. Para perceber isso, mais de 50% das organizações de ciências da vida planejam desenvolver casos de uso nos próximos cinco anos para monitoramento remoto de pacientes, aplicativos de biomarcadores digitais (por exemplo, biossensores vestíveis) e diagnósticos preditivos habilitados para IA e medicina preventiva.

No entanto o setor ainda está muito longe de realizar esses tipos de casos de uso e apenas um quarto das organizações de ciências da vida pesquisadas são maduras nas principais áreas de saúde conectada, como estratégia de portfólio, design de produtos e desenvolvimento de produtos. A pesquisa também descobriu que menos de um terço das organizações têm os recursos digitais, tecnológicos e colaborativos necessários para iniciativas de saúde conectada bem-sucedidas. Por exemplo, apenas um quarto utiliza inteligência artificial para executar anális...

Artigo atualizado em 21/06/2022 07:07.

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica