Publicado em 04 May 2021

Os riscos da utilização do hidrogênio em suas formas gasosa e líquida

Redação

O hidrogênio é um caso particular na natureza. É o elemento químico de menor densidade e o mais abundante do universo, e apesar disso na terra apresenta-se prioritariamente em compostos químicos como hidrocarbonetos e água. Em forma de gás é extremamente raro na atmosfera, pois devido a sua pequena densidade, escapa mais facilmente da atmosfera que elementos mais pesados. Ele pode se estabilizar de duas formas: ou recebendo um elétron por intermédio de ligação iônica com um elemento da família ou grupo dos metais, ou compartilhando um elétron, por intermédio de ligação molecular, com outro elemento da família ou grupo dos não metais. A ligação com o oxigênio é dada pela segunda forma descrita. Hidrogênio na forma molecular (H2) pode ser comercialmente produzido a partir de eletrólise da água e por gaseificação do carvão, mas também pode ser produzido por vários métodos, tais como a decomposição termoquímica da água e fotoeletrólise solar, embora estes estejam atualmente em fase de desenvolvimento. O uso do hidrogênio como combustível para ser utilizado em motores de combustão não é um tema que começa a ser discutido na atualidade. No início do século 20 uma grande frota de carros, tratores e ônibus eram movidos a gasogênio. Esse período coincide com o período das grandes guerras, quando houve grande escassez de diversos insumos para a população haja vista que foram desviados para fins militares. O gasogênio é produzido por dispositivo capaz de realizar a combustão incompleta de combustíveis sólidos tendo como produto gases que ainda poderiam servir como fonte de energia. O equipamento baseava-se em promover a queima de madeira, carvão, óleo e outros com oxigênio insuficiente para que a combustão fosse completa. O hidrogênio puro é usado principalmente no refino de petróleo e na produção de amônia, principalmente para fertilizantes, enquanto os gases misturados são fornecidos para produção de metanol e aço. O hidrogênio puro ainda não é comumente utilizado como combustível. Atualmente, com a preocupação global em relação ao aquecimento da Terra e em encontrar fontes de energias mais limpas, o hidrogênio está começando a ser muito pesquisado como o grande sucessor dos combustíveis fósseis, entre eles e principalmente; o petróleo. As pesquisas sobre o hidrogênio estão sendo concentradas na geração de energia elétrica, térmica e de água pura através das células a combustível. Deve-se entender os parâmetros para a utilização do hidrogênio em suas formas gasosa e líquida, além de se identificar os riscos e as preocupações básicas de segurança e as propriedades do hidrogênio que são relevantes à segurança.

Da Redação – 

O hidrogênio (H2) é o mais simples e mais comum elemento de todo o universo, pois ele compõe 75% da sua massa e 90% de todas as suas moléculas. Possui a maior quantidade de energia por unidade de massa que qualquer outro combustível conhecido, aproximadamente 52.000 british thermal units (BTU) por libra (120,7 kJ por grama), cerca de três vezes mais calor por libra que o petróleo estando em seu estado líquido.

Quando resfriado ao estado líquido, o hidrogênio de baixo peso molecular ocupa um espaço equivalente a 1/700 daquele que ocuparia no estado gasoso, sendo possível então o seu armazenamento e transporte. No seu estado natural e sob condições normais, o hidrogênio é um gás incolor, inodoro e insípido.

É uma molécula com grande capacidade de armazenar energia e por este motivo sua utilização como fonte renovável de energia elétrica e térmica vem sendo amplamente pesquisadas. Se for produzido a partir de fontes renováveis como, por exemplo, o etanol e a água e por tecnologias renováveis, como as energias solar, eólica e hidráulica, o hidrogênio torna-se um combustível renovável e ecologicamente corr...

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica